General Santos Cruz detona Bolsonaro e Pazuello: ‘Irresponsável e perigoso’

General Santos Cruz – O general Carlos Alberto dos Santos Cruz, ex-ministro do governo de Jair Bolsonaro, criticou o presidente e o general da ativa Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, após os dois terem participado de uma “motociata” no Rio de Janeiro, no último domingo, que causou aglomerações pela cidade. Santos Cruz escreveu no Twitter que “o presidente e um militar da ativa mergulharem o Exército na política é irresponsável e perigoso”.

O general, que foi ministro da Secretaria de Governo de Bolsonaro, afirmou ainda que os dois desrespeitam o Exército e são “um mau exemplo, que não pode ser seguido”.

LEIA: Thiago Manga: “Eu tenho asco de Jair Bolsonaro, não de quem votou nele!”

“DE SOLDADO A GENERAL TEM QUE SER AS MESMAS NORMAS E VALORES. O presidente e um militar da ativa mergulharem o Exército na política é irresponsável e perigoso. Desrespeitam a instituição. Um mau exemplo, que não pode ser seguido. PÉSSIMO PARA O BRASIL”, escreveu Santos Cruz.

Pazuello, como general da ativa da instituição, é proibido pelo regulamento disciplinar do Exército de se manifestar politicamente. No entanto, ele chegou a falar durante a manifestação em cima do carro de som em que também estava Bolsonaro. Ambos estavam sem máscara, assim como demais presentes no ato.

LEIA: Estadão pede 3ª via em editorial: “Alternativa viável a Lula e Bolsonaro”

Segundo Lauro Jardim noticiou em sua coluna, o ex-ministro da Defesa Raul Jungmann considerou “gravíssimo” “o ato do general Pazuello de subir no palanque com o Presidente da República”. Atual chefe da pasta, Braga Netto, e o comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira, também já tiveram ao menos um conversa telefônica ainda no domingo para tratar da crise aberta com a presença do general na manifestação.

 

LEIA: PT tira o pé e enfraquece impeachment de Bolsonaro, diz colunista

Fonte: O Globo

Exército ficará desmoralizado se não punir Pazuello, avaliam militares

O comandante do Exército, Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira, ficou numa situação complicada. Ou pune o general Eduardo Pazuello por participar de manifestação ao lado do presidente Jair Bolsonaro no Rio ou fica desmoralizado, criando o risco para a volta da anarquia nos quartéis. A avaliação é de interlocutores de militares da ativa.

Leia a matéria completa aqui.

General da ativa, Pazuello vai à ato com Bolsonaro e abre nova crise militar

A presença do general da ativa e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello em uma manifestação político-partidária no Rio criou um constrangimento para o Comando do Exército e abriu uma nova crise militar no governo de Jair Bolsonaro. Isso porque Pazuello, como general de divisão da ativa, está proibido pelo Estatuto dos Militares e pelo Regulamento Disciplinar do Exército de participar de manifestações coletivas de caráter político.

Leia a matéria completa aqui.

Mário Frias dispara contra Lei Paulo Gustavo: “Vocês são doentios”

O secretário especial de Cultura, Mário Frias, usou seu Twitter para pedir que internautas votem contra a Lei Paulo Gustavo, que morreu vítima da Covid-19. O projeto de lei visa garantir ajuda financeira ao setor da cultura.

Leia a matéria completa aqui.

Centrais sindicais vão à Brasília entregar propostas para Lira e Pacheco

Presidentes das principais centrais sindicais do país vão a Brasília na próxima quarta (26), em ato inédito, entregar pessoalmente aos presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), uma agenda legislativa com propostas que elaboraram em conjunto.

Leia a matéria completa aqui.

Governo Doria pede investigação de médicos que deram laudos para vacinação

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo vai enviar nesta sexta-feira (21) ao Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) uma lista dos 100 profissionais médicos que mais emitiram laudos, exames e receitas médicas para a vacinação de pessoas com comorbidades.

Leia a matéria completa aqui.

Conheça o brasileiro pioneiro na luta contra segregação racial nos EUA

Era um dia frio e chuvoso de novembro de 1832 quando o imigrante brasileiro Emiliano Mundrucu entrou no barco a vapor Telegraph com sua mulher Harriet e sua filha Emiliana, de apenas um ano. Segundo registros históricos, a família acompanhava o brasileiro em uma viagem a trabalho da costa de Massachusetts, no nordeste dos Estados Unidos, até a ilha de Nantucket.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.378 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *