Fundador da Empiricus: Mercado prefere 3ª via a Lula ou Bolsonaro

Mercado prefere 3ª via – A casa de análises Empiricus voltou aos holofotes nas últimas semanas, com a notícia de que o BTG havia comprado o Grupo Universa, dono da empresa. Para Felipe Miranda, estrategista-chefe e um dos fundadores da Empiricus, o negócio fortalece a estratégia da casa.

Conhecida por seu marketing agressivo, a Empiricus foi uma das primeiras casas de análise independventes do país e, ao longo dos anos, foi recebida com muita desconfiança por boa parte dos investidores.

LEIA: Patriota não quer Bolsonaro e afasta presidente da sigla por 90 dias
LEIA: Luís Miranda pede prisão de Onyx Lorenzoni à CPI da Covid
LEIA: Daniel Silveira é preso de novo após tirar tornozeleira 30 vezes
LEIA: Desigualdade dispara no Brasil e 1% mais rico tem 50% da riqueza

Foi em 2014, quando Miranda escreveu a carta “O fim do Brasil”, que a empresa ganhou notoriedade. O PT, partido da então presidente Dilma Rousseff, entrou na Justiça, alegando “terrorismo econômico”.

Em um cenário eleitoral Luiz Inácio Lula da Silva (PT) x Jair Bolsonaro (sem partido) em 2022, com quem o mercado fica?
Precisaria esperar, na verdade. Talvez o mercado se torne quase indiferente, porque o mercado é apolítico. O interesse do mercado é no lucro crescente das empresas. Não há outra preferência além dessa.

Objetivamente, Lula 1 [primeiro mandato, de 2003 a 2006] foi um espetáculo de desenvolvimento da Bolsa. Se for um Lula sem revanchismo, um Lula Mandela, um Lula ligado ao [Henrique] Meirelles ou ao Marcos Lisboa na Fazenda, com uma natureza que se comprometa com uma postura ortodoxa, pode ser um Lula bem recebido, falando como financista.

LEIA: Luis Miranda confronta Bolsonaro: “Fala tanto em Deus, essa é a recompensa?”
LEIA: Witzel vai revelar crime de Bolsonaro à CPI e pede “escolta policial”
LEIA: Miranda dispara contra Onyx: “Não me sinto coagido, vou botar ele na cadeia”

Como brasileiro, eu acharia um desastre ético gigantesco o Lula voltar a ser presidente.

Por outro lado, o mercado pode se reconciliar com Lula, se ele vier com uma pauta ortodoxa, como foi o Lula 1, com aquele esquadrão que ele montou.

O Bolsonaro é a continuidade, o que não tem muito problema. Bolsa está aí, com recorde com o Bolsonaro.

Agora eu acho que se pudesse escolher, o mercado optaria por uma terceira via. Mas parece que estamos condenados a essa polarização pelo menos até agora.

LEIA: Luis Miranda confronta Bolsonaro: “Fala tanto em Deus, essa é a recompensa?”
LEIA: Witzel vai revelar crime de Bolsonaro à CPI e pede “escolta policial”
LEIA: Miranda dispara contra Onyx: “Não me sinto coagido, vou botar ele na cadeia”

Em 2014, você escreveu que seria “O fim do Brasil”, e que o país passaria por muitas adversidades. Qual é sua tese para o Brasil hoje?
O Brasil está um pouco condenado a uma certa mediocridade. Quando você vê uma eleição representada por Bolsonaro e Lula, a não ser que aconteça uma grande novidade, é um pouco a representação do que é o Brasil.

Por outro lado, é um Brasil que avança. De algum modo, somos hoje melhor do que éramos há 20 anos.

LEIA: Tico Santa Cruz: “Lula não é minha opção para o 1º turno de 2022”
LEIA: MP denuncia 35 PMs por motim no Ceará em que Cid Gomes foi baleado
LEIA: Carta-bomba de Palocci ao PT escrita em 2017: ‘Presenciei desmonte moral’ de Lula

Do ponto de vista de ativos financeiros, estou otimista, porque é um cenário que reúne crescimento econômico global muito forte, preço de commodities alto, e o Brasil é sensível a isso.

Os indicadores recentes superando as expectativas de todo mundo. A relação dívida/PIB que ia superar 110%, agora convergindo para 83%.

O Brasil está precificado como muito ruim. Ninguém quer saber do Brasil no mundo. O Brasil não é nem o Cristo decolando, nem o Cristo indo para baixo, é o Cristo parado, e ele vai continuar lá. Na verdade, talvez essa seja a grande tese: as duas capas da The Economist estão erradas..

LEIA: Kalil se afasta de Lula: ‘Tava na TV em novembro pedindo voto contra mim’
LEIA: Site contabiliza ‘cagadas’ de Bolsonaro; conheça o ‘Cagômetro’
LEIA: CNN publica mensagens entre Luis Miranda e assessor do governo Bolsonaro
LEIA: Covaxin: Deputado diz que alertou Bolsonaro sobre ‘algo estranho’

Leia a entrevista completa no portal UOL.

RECEBA NO SEU CELULAR AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DO DIA

Telegram: AQUI
Whatsapp: AQUI

SE VOCÊ APOIA O IMPEAHCMENT DE JAIR BOLSONARO, ENTRE NESSES GRUPOS:

Facebook: AQUI
WhatsApp: AQUI
Telegram: AQUI
Instagram: AQUI

LEIA: Ricardo Salles pede demissão após virar alvo da PF

LEIA: Amanda Salgado: “Falsos patriotas…o verde e amarelo é nosso!”
LEIA: Pazuello lidera em potenciais falsos testemunhos; CPI aponta 38
LEIA: Tasso pode apoiar Ciro: ‘Candidato de centro não tem que ser do PSDB’

Governo quer flexibilizar validade de alimentos no Brasil

Em um aceno ao setor de supermercados, o governo vai criar um grupo de trabalho para avaliar proposta de flexibilização da regra que trata da validade de alimentos no Brasil. A sugestão é adotar modelo que permita vendas de baixo custo e doações a partir de determinado prazo.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Wilson Witzel diz que é perseguido por investigar morte de Marielle
LEIA: Witzel diz que revelará ‘fato gravíssimo’ contra Bolsonaro em reunião sigilosa

Witzel: Milícia atua na máfia da saúde no RJ; ‘Corro risco de vida’

Em depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (16) no Senado, o ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou que ele e sua família correm risco de vida e que seu impeachment foi financiado por uma máfia na área de saúde.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Casal acusa jovem negro de roubo, é denunciado por racismo e demitido
LEIA: 19J: Manifesto da JS-SP pede povo unido por vacina, trabalho e fora Bolsonaro

Sociólogo diz que desistência de Huck ‘beneficia centro-esquerda’

Em entrevista publicada no Estadão e assinada pelo jornalista Pedro Venceslau, o especialista em pesquisas eleitorais, sociólogo Antonio Lavareda, presidente do conselho do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), disse que os partidos que buscam uma “terceira via” nas eleições presidenciais de 2022, como alternativa à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), precisam encontrar um nome que atinja os dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto até o início do ano que vem.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Kalil não descarta ser vice de Ciro Gomes: “É um ótimo nome”
LEIA: Flávio Dino: ‘Não excluo Ciro Gomes e PDT de qualquer debate’

LEIA: Luciano Huck desiste da presidência em 22 e terá domingo na Globo

Veja mais notícias no BRI.

 

Compartilhe

Written by:

1.631 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.