G7 e OCDE propõem ‘imposto global’ sobre lucro de grandes empresas

Imposto Global – Na opinião do secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Mathias Cormann, uma alíquota mínima de 15% para o imposto corporativo global seria um “passo muito significativo”, que daria aos países margem suficiente para competir.

Os comentários do novo secretário-geral da OCDE, que lidera as negociações globais sobre o assunto, seguem o acordo fechado pelo Grupo dos Sete para uma alíquota de “pelo menos 15%”. Alguns países, incluindo a França, disseram que ainda vão pressionar por um piso mais alto.

LEIA: Ciro Gomes vence Bolsonaro no 2º turno com folga, diz pesquisa
LEIA: Com discurso contra neoliberalismo, Castillo é o novo presidente do Peru

“É importante encontrarmos o equilíbrio certo”, disse Cormann em entrevista à Bloomberg Television. “Se formos capazes de alcançar uma circunstância em que todas as multinacionais que operam globalmente sejam obrigadas a pagar pelo menos 15% sobre os lucros, acho que é um passo muito significativo.”

Países pequenos como a Irlanda mostraram preocupação em relação ao acordo global, que poderia prejudicar seus esforços para atrair multinacionais.

A alíquota de 15% ainda deixaria espaço para uma “competição apropriada” entre as nações com base na política fiscal e tributária, disse Cormann.

LEIA: Regina Duarte perde 100 mil seguidores: ‘Onde foi que eu errei?
LEIA: Ex-bailarina da TV descobre que namorado é ‘bolsominion’ e termina

O acordo sendo negociado na OCDE também inclui novas regras para garantir que grandes empresas, especialmente as de tecnologia, paguem uma proporção maior de impostos nos países onde possuem operações, em vez de onde estão sediadas. O G7 avançou nesse tópico e concordou com parâmetros de quanto lucro poderia ser realocado para diferentes jurisdições. Mas não finalizou os detalhes.

A questão pode ser difícil de resolver, especialmente sobre quais empresas estariam sujeitas às novas regras.
Uma rodada de negociações está marcada para o final de junho, antes da reunião dos ministros das Finanças do G20, que poderiam apoiar um acordo mais detalhado.

LEIA: PF indicia líder do governo Bolsonaro por propina de R$ 10 milhões
LEIA: ‘Não há crise; Bolsonaro obedece ao Partido Militar’, diz coronel
LEIA: Bolsonaro ‘namora’ partido que ajudou Lula a ser solto em 2019

“Estou discretamente esperançoso, discretamente otimista de que, quando tudo estiver dito e feito, seremos capazes de chegar a um resultado em pouco tempo”, disse Cormann.

Fonte: Exame

OIT: Mercado de trabalho deve se recuperar apenas em 2023

Pelo menos 220 milhões de pessoas devem permanecer desempregadas em todo o mundo este ano, bem acima dos níveis pré-pandemia, com a fraca recuperação do mercado de trabalho agravando as desigualdades existentes, disse nesta quarta-feira a OIT (Organização Internacional do Trabalho).

Leia a matéria completa aqui.

Pres. do BC: Crise hídrica afeta economia e causa aumento de preços

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira (2) que a crise hídrica vivida atualmente no Brasil afeta a inflação e, por isso, mudanças climáticas estão cada vez mais no radar da autoridade monetária.

Leia a matéria completa aqui.

Privatizar Eletrobras custará aos consumidores R$ 20 bi a mais por ano

Privatizar a Eletrobras vai resultar em um aumento de R$ 20 bilhões por ano aos consumidores, segundo estimativa da Abrace (Associação dos Grandes Consumidores de Energia e Consumidores Livres).

Leia a matéria completa aqui.

Retomada? PIB cresce 1,2% e atinge nível pré-pandemia

O PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu 1,2% no 1º trimestre de 2021 em comparação com o 4º do ano passado. O resultado garantiu o retorno do PIB ao nível pré-pandemia de covid-19.

Leia a matéria completa aqui.

Economia, pandemia e crise

Estimativas recentes feitas por organizações econômico-financeiras multilaterais mostram uma importante contração nas economias de um enorme número de países durante o ano de 2020.

Leia a matéria completa aqui.

EUA investe US$ 6 bilhões na América Latina para ‘recuperar’ a hegemonia

O presidente dos EUA, Joe Biden, declarou seu objetivo de recuperar a liderança internacional, reverter o isolacionismo de seu antecessor, Donald Trump, restaurar alianças internacionais e fortalecer a diplomacia para a qual dispôs um orçamento federal de US$ 6 bilhões, elevando investimentos em infraestrutura, educação e combate às mudanças climáticas.

Leia a matéria completa aqui.

Grupo de Vagas de Emprego 

Grupo de apoio ao Trabalhador

Veja mais notícias no BRI.

Facebook Comments Box
Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

37 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *