Vídeo: Presidente da CPI, Omar Aziz xinga mãe de senador bolsonarista

Omar Aziz xinga mãe – O presidente da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid, Omar Aziz (PSD-AM), xingou a mãe do senador Marcos Rogério (DEM-RO) depois de o governista questionar sua forma de conduzir a sessão desta quinta-feira (27), marcada pelo depoimento do diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

A discussão começou quando Rogério disse ao presidente do colegiado para conter sua “sanha” contra o governo federal. Aziz pediu respeito, afastou o microfone e falou: “Sanha é sua mãe”.

LEIA: Bolsonaro ataca senador da CPI: “Não tem o que fazer não, ô, saltitante?”

Assista ao momento:

Na origem da altercação está a interpretação dos senadores sobre um trecho do documentário “A corrida das vacinas”, do Globoplay, exibido a pedido do rondoniense durante o tempo reservado para suas perguntas a Dimas Covas. O trecho reproduz um áudio vazado de uma reunião do diretor do Butantan com o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em novembro de 2020.

LEIA: Pesquisa do DEM aponta movimento “nem Bolsonaro, nem Lula”
LEIA: Desemprego bate recorde e atinge quase 15 milhões de brasileiros

Na gravação, o tucano cobra que Dimas Covas pressione uma pessoa a quem se refere como “chinês” para a obtenção de vacinas contra o novo coronavírus. Doria sustenta que estaria, à época, perdendo capital político pela exposição pública a que se submetia e diz que exibir um exemplar da Coronavac em solo brasileiro causaria um impacto institucional “irresistível”.

LEIA: Presidente da Câmara, Lira analisa pedidos de impeachment contra Bolsonaro
LEIA: Rejeição à Bolsonaro dispara, sobe 5 pontos em 15 dias e atinge 59%, diz pesquisa

Após a veiculação das imagens, Rogério perguntou ao diretor do Butantan se a “grosseria” do governador paulista com um suposto intermediário não poderia ter efeitos diplomáticos negativos na importação de insumos farmacêuticos da China.

Tal análise era uma tentativa de contrapor as falas do relator da CPI, Renan Calheiros, do próprio Dimas Covas e de outros membros da comissão às declarações públicas do presidente Jair Bolsonaro sobre a compra da Coronavac, chamada por ele de “vacina chinesa”.

LEIA: Opinião: Entenda a polêmica do voto impresso no Brasil
LEIA: Ciro Gomes lembra que Brizola defendia voto impresso: “Nosso líder imortal”

Omar Aziz xinga mãe

Foi neste momento que Aziz interveio, argumentando que não se tratava de grosseria, mas sim da “indignação” de um gestor que tinha urgência para obter vacinas, e acabou ouvindo o pedido de Rogério que deu início ao episódio.

Fonte: Poder 360

Microempresários pagam juros 6 vezes maiores em relação a grande empresa

Os juros médios anuais cobrados das empresas pelos bancos têm diminuído desde 2017. Entretanto, os MEIs (microempreendedores individuais) e as microempresas pagaram taxas seis vezes maiores do que as grandes empresas em 2020. As pequenas empresas pagaram juros 4,4 vezes maiores.

Leia a matéria completa aqui.

Carlos Siqueira, presidente do PSB, defende voto impresso

O PSB defende que seja adotada a impressão dos votos junto às urnas eletrônicas. Segundo o presidente da sigla, Carlos Siqueira, trata-se de uma maneira a mais de auditar os resultados das eleições afastando cada vez mais hipóteses de fraudes. “Eu não consigo entender é o porquê de o voto não ser impresso”, disse ao Poder360.

Leia a matéria completa aqui.

Deputado bolsonarista pede extinção da UERJ em projeto no RJ

O deputado Anderson Moraes (PSL-RJ) anunciou nesta terça-feira (25) que protocolou na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) um Projeto de Lei onde realiza um pedido para extinguir a Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Leia a matéria completa aqui.

Brizola era a favor das urnas eletrônicas?

Leonel Brizola comparava as urnas eletrônicas brasileiras com a argola que se põe no nariz do touro para puxá-lo por uma corda, docilmente, para onde o seu dono quiser. Brizola usou essa imagem rural, como gostava de fazer na política, no programa do PDT que foi ao ar em cadeia nacional de rádio e televisão no dia 28 de junho de 2001, quase totalmente dedicado à fragilidade do voto eletrônico. Nessa ocasião ele alertou, profeticamente, que os chamados ‘negócios da China’ tinham se tornado “negócios do Brasil”, por conta das privatizações neoliberais iniciadas no governo Collor, aceleradas por Fernando Henrique, retomadas por Michel Temer e reaceleradas pela dupla Paulo Guedes/ Bolsonaro.

Leia a matéria completa aqui.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.407 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *