Tributação mais alta para indústria é erro econômico e social, diz CNI

Indústria – Após fala do ministro da Economia, Paulo Guedes, sobre alíquota mais alta para a Indústria, o setor afirmou que tributar mais produtos e menos serviços é um “equívoco econômico e social”, bem como “injusto do ponto de vista social e contribui para aumentar a regressividade do sistema tributário brasileiro”. A afirmação é da Confederação Nacional da Indústria (CNI).

LEIA: Thiago Manga: ‘Acabou, p….!’; O Brasil no avião que escorraçou Bolsonaro
ASSISTA: “Fora genocida!”; Bolsonaro é vaiado e xingado ao entrar em avião
ASSISTA: Bióloga ‘janta’ Bolsonaro; “Não testamos cloroquina em emas porquê elas fugiram”

LEIA: CPI da Covid aprova condução coercitiva de Carlos Wizard
LEIA: CPI quebra sigilo telefônico de ex-ministros Pazuello e Ernesto Araújo

Em defesa da reforma tributária, a Indústria defende que a simplificação e modernização do sistema tributário sirva também para mudar a carga tributária mais elevada para o setor industrial. Assim, a Confederação defende uma reforma tributária que introduza no Brasil um Imposto sobre Valor Adicionado (IVA), com alíquota uniforme sobre bens e serviços.

“O fato de que hoje a indústria é o setor que suporta a maior carga tributária, quando comparamos o montante de tributos recolhidos em relação ao PIB do setor, não significa que a situação deva se manter eternamente. Muito menos, que esta seja a melhor opção de política tributária”, argumenta.

Segundo a CNI, do ponto de vista econômico, a diferença de tributação sobre o valor adicionado interfere na alocação de recursos entre os setores econômicos.

LEIA: Promotor pede prisão de Keiko Fujimori no Peru
LEIA: Ciro consolida 3ª via após quase dobrar porcentagem em pesquisa
LEIA: João Amoedo desiste de candidatura à presidência pelo Novo

“Por que investir capital no setor industrial e ter o valor adicionado por ele tributado, em média, a 46,2% enquanto em outros setores a renda com esse mesmo capital será muito menos tributada?”, questiona.

“Trata-se, portanto, de um desestímulo aos investimentos no setor industrial, que é aquele com maior capacidade de puxar o crescimento da economia. Cada R$ 1 produzido na indústria de transformação gera outro R$ 1,67 na produção da economia como um todo, sendo que, deste R$ 1,67, R$ 0,84 são gerados no setor de serviços”, completa.

LEIA: Professores são intimados pela PF por atos contra o fascismo
LEIA: Senado aprova projeto que protege brasileiros de superendividamento

Fonte: CNN

OIT: Mercado de trabalho deve se recuperar apenas em 2023

Pelo menos 220 milhões de pessoas devem permanecer desempregadas em todo o mundo este ano, bem acima dos níveis pré-pandemia, com a fraca recuperação do mercado de trabalho agravando as desigualdades existentes, disse nesta quarta-feira a OIT (Organização Internacional do Trabalho).

Leia a matéria completa aqui.

Pres. do BC: Crise hídrica afeta economia e causa aumento de preços

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira (2) que a crise hídrica vivida atualmente no Brasil afeta a inflação e, por isso, mudanças climáticas estão cada vez mais no radar da autoridade monetária.

Leia a matéria completa aqui.

Privatizar Eletrobras custará aos consumidores R$ 20 bi a mais por ano

Privatizar a Eletrobras vai resultar em um aumento de R$ 20 bilhões por ano aos consumidores, segundo estimativa da Abrace (Associação dos Grandes Consumidores de Energia e Consumidores Livres).

Leia a matéria completa aqui.

Retomada? PIB cresce 1,2% e atinge nível pré-pandemia

O PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu 1,2% no 1º trimestre de 2021 em comparação com o 4º do ano passado. O resultado garantiu o retorno do PIB ao nível pré-pandemia de covid-19.

Leia a matéria completa aqui.

Economia, pandemia e crise

Estimativas recentes feitas por organizações econômico-financeiras multilaterais mostram uma importante contração nas economias de um enorme número de países durante o ano de 2020.

Leia a matéria completa aqui.

EUA investe US$ 6 bilhões na América Latina para ‘recuperar’ a hegemonia

O presidente dos EUA, Joe Biden, declarou seu objetivo de recuperar a liderança internacional, reverter o isolacionismo de seu antecessor, Donald Trump, restaurar alianças internacionais e fortalecer a diplomacia para a qual dispôs um orçamento federal de US$ 6 bilhões, elevando investimentos em infraestrutura, educação e combate às mudanças climáticas.

Leia a matéria completa aqui.

Grupo de Vagas de Emprego 

Grupo de apoio ao Trabalhador

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

37 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *