The Economist: Brasil vive pior momento desde o retorno a democracia

The Economist – A nova edição só chegou à internet nesta quinta (3), mas parte do material especial sobre Brasil da revista The Economist já circulava em mídia social, em perfis de mercado financeiro, um dia antes.

Traz mais uma vez a imagem alterada do Cristo Redentor, na capa regional, voltada à América Latina —mas não na capa principal, para o resto do mundo, que aborda “A nova geopolítica dos negócios” dominada por empresas dos EUA e da China.

Agora a estátua no Corcovado respira com tubo de oxigênio.

Em editorial com o título “A década sombria do Brasil”, a revista diz que “Bolsonaro não é a única razão pela qual seu país está num buraco”, opinando que “o sistema político que o ajudou a conquistar o cargo precisa de reforma profunda”.

O caderno especial, com dez páginas produzidas pela correspondente Sarah Maslin, aborda tópicos como economia, corrupção, Amazônia e as perspectivas para o Brasil.

No texto de abertura, “O capitão e seu país”, Maslin destaca que “o Brasil está retrocedendo” e avalia que “Bolsonaro e Covid-19 são só os mais recentes em uma década de desastres”. Em suma, “o Brasil está enfrentando sua maior crise desde o retorno à democracia em 1985”.

Sobre economia, com o título “Um sonho adiado”, afirma que, “Após uma geração de progresso, a mobilidade social está diminuindo”. Fechando o caderno, com foto associando Bolsonaro a Hitler, diz que é “Hora de ir” e “o futuro depende das eleições” do ano que vem.

Reafirma que é preciso reformas, combater corrupção, defender a Amazônia, “mas será difícil mudar o rumo enquanto Bolsonaro for presidente. A prioridade mais urgente é tirá-lo pelo voto”.
O caderno coincide com a promoção de um evento sobre o país, pela Economist, na semana que vem.

Alterar a imagem do Cristo Redentor é recurso que já foi usado outras vezes pela revista, sendo duas capas mais lembradas (acima): “O Brasil decola”, de 2009, no governo Lula, e “O Brasil estragou tudo?”, de 2013, no governo Dilma Rousseff.

Elas também se basearam então em cadernos especiais sobre o país, cada um com 14 páginas.

Outra versão saiu no meio do processo de impeachment de Dilma, em 2016. Intitulada “A traição do Brasil”, dizia que ela “decepcionou” o país, levando à recessão e ao desemprego de 10%, e que “aqueles que trabalham por sua remoção são, em muitos aspectos, piores”, questionando “a classe política inteira”.

Fonte: Folha de S. Paulo

OIT: Mercado de trabalho deve se recuperar apenas em 2023

Pelo menos 220 milhões de pessoas devem permanecer desempregadas em todo o mundo este ano, bem acima dos níveis pré-pandemia, com a fraca recuperação do mercado de trabalho agravando as desigualdades existentes, disse nesta quarta-feira a OIT (Organização Internacional do Trabalho).

Leia a matéria completa aqui.

Pres. do BC: Crise hídrica afeta economia e causa aumento de preços

O presidente do BC (Banco Central), Roberto Campos Neto, afirmou nesta quarta-feira (2) que a crise hídrica vivida atualmente no Brasil afeta a inflação e, por isso, mudanças climáticas estão cada vez mais no radar da autoridade monetária.

Leia a matéria completa aqui.

Privatizar Eletrobras custará aos consumidores R$ 20 bi a mais por ano

Privatizar a Eletrobras vai resultar em um aumento de R$ 20 bilhões por ano aos consumidores, segundo estimativa da Abrace (Associação dos Grandes Consumidores de Energia e Consumidores Livres).

Leia a matéria completa aqui.

Retomada? PIB cresce 1,2% e atinge nível pré-pandemia

O PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro cresceu 1,2% no 1º trimestre de 2021 em comparação com o 4º do ano passado. O resultado garantiu o retorno do PIB ao nível pré-pandemia de covid-19.

Leia a matéria completa aqui.

Economia, pandemia e crise

Estimativas recentes feitas por organizações econômico-financeiras multilaterais mostram uma importante contração nas economias de um enorme número de países durante o ano de 2020.

Leia a matéria completa aqui.

EUA investe US$ 6 bilhões na América Latina para ‘recuperar’ a hegemonia

O presidente dos EUA, Joe Biden, declarou seu objetivo de recuperar a liderança internacional, reverter o isolacionismo de seu antecessor, Donald Trump, restaurar alianças internacionais e fortalecer a diplomacia para a qual dispôs um orçamento federal de US$ 6 bilhões, elevando investimentos em infraestrutura, educação e combate às mudanças climáticas.

Leia a matéria completa aqui.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

63 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *