Tasso pode apoiar Ciro: ‘Candidato de centro não tem que ser do PSDB’

Tasso pode apoiar Ciro – Matéria publicada no portal Terra e assinada pelos jornalistas Eduardo Laguna e Ernani Fagundes informa que o senador Tasso Jereissati (CE), apontado como um dos “presidenciáveis” do PSDB para a eleição de 2022, disse neste domingo (21) ver como uma “possibilidade concreta” a formação de uma aliança de forças políticas de centro para fazer frente à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Para Tasso, o candidato que represente este campo não necessariamente tem de ser do PSDB. “Não precisa ser do nosso partido”, disse o parlamentar, referindo-se ao nome que lideraria a coalizão.

Ao participar de videoconferência do grupo Parlatório S.A., o senador cearense disse que a viabilidade de uma candidatura alternativa, a chamada terceira via, na corrida ao Palácio do Planalto do ano que vem, vai depender da pressão popular. “Se houver pressão da opinião publica, a possibilidade se torna mais concreta ainda”, afirmou o tucano.

Tasso é um dos quatro nomes cogitados para ser o candidato presidencial do PSDB em 2022. Além do senador, concorrem ao posto os governadores João Doria (SP) e Eduardo Leite (RS) e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio. As prévias do partido estão marcadas para novembro.

LEIA: CNN publica mensagens entre Luis Miranda e assessor do governo Bolsonaro
ASSISTA: Vídeo: Cristãos Trabalhistas rebate ataque de Silas Malafaia a Ciro Gomes
LEIA: Covaxin: Deputado diz que alertou Bolsonaro sobre ‘algo estranho’

Questionado sobre a atuação do PSDB na corrida presidencial, Tasso defendeu a unidade da legenda e respondeu que as prévias tucanas também fazem parte da estratégia eleitoral para 2022. “Uma característica positiva que o PSDB tem é de ser um partido democrático, e, encontramos uma solução democrática. As prévias também são uma estratégia eleitoral”, disse.

“Veja o caso dos Estados Unidos, onde há prévias. (…) Se você entrar do zero para alçar voo depois é muito difícil. Essa é uma das estratégias, e, depois da prévia, todo mundo vai entrar em campo para jogar junto”, afirmou o senador tucano.

Tasso citou o ex-presidente Michel Temer e o ex-ministro da Justiça e ex-juiz da Lava Jato Sergio Moro – ambos participantes da mesma reunião virtual – entre as “figuras centrais” no processo de aglutinação de forças de centro. “São atores fundamentais para que esse processo chegue”, afirmou o senador.

LEIA: Amanda Salgado: “Falsos patriotas…o verde e amarelo é nosso!”
LEIA: Pazuello lidera em potenciais falsos testemunhos; CPI aponta 38

Ameaças

Integrante da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Senado que investiga ações e omissões de autoridades pelo agravamento da pandemia de covid-19, Tasso revelou que testemunhas receberam ameaças de morte. “Pelo menos duas pessoas já pediram proteção à CPI por ameaças de morte. (…) Isso é muito grave, temos uma banalização da morte no Brasil.”

Tasso afirmou que existe um “receio claro” do Congresso com alguns movimentos do presidente Jair Bolsonaro em relação ao poder Judiciário e outras instituições. “Todas as instituições estão em risco. Nesse momento, qualquer tipo de luta entre o Legislativo e o Judiciário seria inadequado. Existe um receio muito claro no Congresso de alguns movimentos do presidente da República em relação ao poder Judiciário.”

LEIA: MP denuncia 35 PMs por motim no Ceará em que Cid Gomes foi baleado
LEIA: Reforma administrativa prevê 1 milhão de cargos para municípios, estados e União
LEIA: Bolsonarista que atacou senador Randolfe após vacina é identificado

O senador ainda disse que causou preocupação na classe política o arquivamento pelo Exército do processo administrativo sobre a participação do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello em ato em apoio a Bolsonaro. “O silêncio das Forças Armadas intranquilizou o País e também o meio político. Hoje, existe uma intranquilidade muito grande”, afirmou.

Tasso frisou que a não punição gerou ruído preocupante, mas afirmou acreditar que as Forças Armadas vão cumprir o papel de “resguardar a Constituição brasileira”.

Parlamentarismo

O senador também fez uma defesa da adoção do parlamentarismo. “Eu sou parlamentarista, defendo que esse parlamentarismo seja adaptado à nossa cultura, história e tradição. Essa é uma das bases do nosso partido, o PSDB. Hoje, muitos senadores já se posicionam a favor do parlamentarismo”, comentou Tasso.

O senador ponderou, no entanto, que a mudança do sistema de governo depende de uma reforma eleitoral totalmente diferente da discutida recentemente. “O ‘distritão’ seria a destruição dos partidos”, afirmou. Tasso completou que a “ideia básica” de mudança do sistema de governo no Brasil ao parlamentarismo está pronta para ser debatida, porém não na atual legislatura.

LEIA: Irmão de Michelle Bolsonaro ganha emprego no Senado com salário de R$ 13,5 mil
LEIA: Governo Bolsonaro comprou vacina indiana superfaturada e sem aval da Anvisa
LEIA: Primeiro-ministro da Suécia é afastado pelo Parlamento

O senador tucano ponderou que, embora exista apoio da maioria dos senadores ao parlamentarismo – com cada um defendendo o seu modelo preferido -, será difícil fazer essa discussão na reforma política e eleitoral durante a atual legislatura. Isso porque, disse, a maioria dos deputados foi eleita dentro do sistema atual que prevê reeleição.

“Existe receio de que o parlamentarismo coloque em risco suas eleições futuras”, comentou. “É uma ideia provavelmente a ser votada na próxima legislatura para não haver impasse maior”, acrescentou.

Senador tucano pode apoiar Ciro Gomes

Enquanto isso, o jornalista Ricardo Noblat publicou em seu blog, no Metrópoles, que caso não seja candidato a presidente, Jereissati poderá apoiar Ciro.

“É bom prestar atenção no que diz o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE). Outro dia, ele disse que o PSDB poderá apoiar um candidato de outro partido na eleição presidencial de 2022

Com o que disse a respeito do apoio a um nome de fora do PSDB, ele pode estar pretendendo apenas enfraquecer João Doria, governador de São Paulo, favorito a ganhar as prévias.

ASSISTA: Vídeo: Bolsonaro tira máscara e ofende jornalista: “Cala a boca!”
LEIA: Desaprovação de Bolsonaro bate recorde e supera 50%, diz pesquisa
LEIA: Boulos se irrita com pressão do PT: ‘postura de quem não quer unidade’

O terceiro nome seria o do governador Eduardo Leite (PSDB), do Rio Grande do Sul. Mas nem Leite nem Jereissati são páreo duro para Doria. Jereissati tem problemas de saúde.

E enfrenta também no seu Estado um problema político chamado Ciro Gomes, candidato do PDT. Dois candidatos de um mesmo Estado a presidente da República seriam um pouco demais.

As coisas já estiveram melhores para Ciro, mas aí surgiu a candidatura de Lula e tomou-lhe o espaço da esquerda. Resta a Ciro avançar sobre o espaço da direita.

LEIA: Equipe eleitoral de Bolsonaro alerta para avanço de Ciro Gomes: “Lula ajuda”
LEIA: BNDES financiou R$ 280 milhões a empresas que produzem cloroquina

Acontece que o espaço da direita estará congestionado com as candidaturas de Bolsonaro, de Doria e de quem mais aparecer. Como Jereissati negaria apoio a um nome do seu Estado?

É com isso que conta Ciro. A conferir até o fim do ano – ou antes.”

Governo quer flexibilizar validade de alimentos no Brasil

Em um aceno ao setor de supermercados, o governo vai criar um grupo de trabalho para avaliar proposta de flexibilização da regra que trata da validade de alimentos no Brasil. A sugestão é adotar modelo que permita vendas de baixo custo e doações a partir de determinado prazo.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Wilson Witzel diz que é perseguido por investigar morte de Marielle
LEIA: Witzel diz que revelará ‘fato gravíssimo’ contra Bolsonaro em reunião sigilosa

Witzel: Milícia atua na máfia da saúde no RJ; ‘Corro risco de vida’

Em depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (16) no Senado, o ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou que ele e sua família correm risco de vida e que seu impeachment foi financiado por uma máfia na área de saúde.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Casal acusa jovem negro de roubo, é denunciado por racismo e demitido
LEIA: 19J: Manifesto da JS-SP pede povo unido por vacina, trabalho e fora Bolsonaro

Sociólogo diz que desistência de Huck ‘beneficia centro-esquerda’

Em entrevista publicada no Estadão e assinada pelo jornalista Pedro Venceslau, o especialista em pesquisas eleitorais, sociólogo Antonio Lavareda, presidente do conselho do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), disse que os partidos que buscam uma “terceira via” nas eleições presidenciais de 2022, como alternativa à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), precisam encontrar um nome que atinja os dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto até o início do ano que vem.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Kalil não descarta ser vice de Ciro Gomes: “É um ótimo nome”
LEIA: Flávio Dino: ‘Não excluo Ciro Gomes e PDT de qualquer debate’
LEIA: Luciano Huck desiste da presidência em 22 e terá domingo na Globo

Veja mais notícias no BRI.

 

 

Compartilhe

Written by:

1.690 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.