Saiba o que Roberto Dias disse à CPI da Covid antes de ser preso

Saiba o que Roberto Dias disse à CPI – O site O Antagonista listou os temas tratados pelo e ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias prestou depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (7).

Ele negou as acusações de que teria pedido propina, caiu em contradições em diversas oportunidades e não explicou por que estava negociando imunizantes.

Ao fim da sessão, o presidente da comissão, Omar Aziz, determinou que o depoente fosse preso por falso testemunho.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Urgente: Roberto Dias sai preso da CPI da Covid
LEIA: Nem Lula nem Bolsonaro: indecisos para presidente são maioria
LEIA: Ministro confirma reunião com filho de Bolsonaro
ASSISTA: Ao vivo: Ex-diretor da Saúde nega propina e chama policial de ‘picareta’
LEIA: Polícia investiga estupro em boate no RJ; deputado do PSL e PM são donos

Saiba tudo o que disse Roberto Dias à CPI:

Conversas com a Davati

  • Roberto Dias disse que, antes do jantar com Luiz Paulo Dominguetti no dia 25 de fevereiro, já havia conversado com Cristiano Carvalho, outro representante da Davati Medical Suply, sobre a oferta de vacinas.
  • O ex-diretor do Delog afirmou, no entanto, que, até então, Cristiano não falava em nome da Davati. Ele se dizia representante da Latin Air Supply.
  • O depoente afirmou que só tomou conhecimento sobre a Davati  no jantar em que encontrou Dominguetti, quando foi informado que ele trabalhava com Cristiano.
  • Segundo Dias, a oferta de 400 milhões de doses de imunizantes da AstraZeneca foi feita pela primeira vez por Cristiano, por meio do ex-assessor do Delog Coronel Marcelo Blanco.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Presidente do Haiti é assassinado a tiros em Porto Príncipe
LEIA: Babalaô montará programa de Ciro Gomes sobre questão racial, diz jornal
LEIA: CPI da Covid retira sigilo de informações de celular de policial militar

Jantar com Dominguetti

  • Roberto Dias afirmou que, em 25 de fevereiro, foi tomar um chope após o expediente com o amigo Ricardo Santana, no restaurante Vasto, em um shopping de Brasília.
  • Ele disse que, enquanto bebia com o colega, encontrou, por acaso, Coronel Marcelo Blanco, acompanhado de Luiz Paulo Dominguetti.
  • Depois de muita insistência dos senadores, Dias admitiu que “havia comentado” com Blanco que estaria no restaurante. A fala contraria a versão de Dominguetti, que disse à CPI que chegou ao local sozinho e que os três já estavam lá.
  • Dias afirmou que essa foi a primeira vez em que conversou Dominguetti. No entanto, um áudio obtido por O Antagonista mostra que, no dia 23 de fevereiro, Dominguetti já falava em encontrar Dias no dia do jantar.
  • Dias negou que tenha negociado a compra dos imunizantes oferecidos pela Davati e que tenha pedido propina. O ex-diretor do Delog afirmou que, no encontro, apenas pediu que Dominguetti entrasse em contato com sua assessoria para agendar uma reunião. O objetivo, segundo Dias, era que Dominguetti apresentasse um documento que comprovasse que ele era representante da AstraZeneca.
  • No depoimento, o ex-diretor do Delog chamou Dominguetti de “picareta”.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Homofobia e machismo: Grupo ligado a PT tem ataque a Ciro e Eduardo Leite
LEIA: Gleisi Hoffman ataca Ciro Gomes: ‘Pior’ que Bolsonaro e ‘jagunço’
LEIA: Bolsonaro confirma André Mendonça novo ministro do STF
LEIA: Mulher de Queiroz chora em áudio: “Qual o problema? Vão matar?”
LEIA: PDT-SP repudia agressões de militantes do PCO em nota oficial

Reunião no Ministério da Saúde

  • Roberto Dias disse que a reunião foi marcada para o dia seguinte ao do jantar, 26 de fevereiro, às 15h, no Ministério da Saúde.
  • Contrariando o que afirmou Dominguetti, o ex-diretor do Delog negou que tenha negociado imunizantes na ocasião.

Elcio Franco

  • Roberto Dias disse que não era o responsável por negociar imunizantes, apesar das conversas que tinha com representantes de empresas. Segundo ele, essa era uma atribuição da Secretaria Executiva da pasta, comandada por Elcio Franco.
  • Apesar disso, não soube explicar por que as ofertas de vacinas não foram endereçadas a seu superior.
  • O ex-diretor do Delog negou que seu departamento fosse responsável por checar valores de imunizantes. A informação contradisse o depoimento de Elcio à CPI no mês passado, que afirmou que o departamento de Dias fazia levantamentos de preços de vacinas.
  • O senador Renan Calheiros propôs uma acareação entre os dois ex-servidores para colocar em xeque as contradições.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Governo quer privatizar Correios em leilão único; maioria é contra
LEIA: Damares teve ‘caso’ com homem casado, diz blogueiro bolsonarista
LEIA: ‘Véio da Havan’ é convocado para depor na CPI: “Quem não deve não teme”
LEIA: Em ‘defesa’ de Lula, PCO agride militantes do PDT em atos contra Bolsonaro
ASSISTA: Vídeo: Ciro Gomes fala sobre ser de ‘esquerda’ ou de ‘direita’

Ricardo Barros

  • Roberto Dias admitiu que já esteve, pelo menos, uma vez na casa do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros. O deputado foi um dos responsáveis por indicar o ex-servidor para o Departamento de Logística do Ministério da Saúde.
  • Dias justificou o encontro dizendo que tem contato com muitos políticos do Paraná, onde começou sua carreira.
  • Apesar disso, negou que Barros exerça qualquer influência sobre suas nomeações para cargos no Ministério da Saúde.

Gravações apontam Bolsonaro envolvido em esquema de corrupção

Gravações inéditas apontam o envolvimento direto do presidente da República, Jair Bolsonaro, no esquema ilegal de entrega de salários de assessores na época em que ele exerceu seguidos mandatos de deputado federal (entre os anos de 1991 e 2018).

Leia a matéria completa aqui.

Manifestantes lotam Avenida Paulista em novo ato contra Bolsonaro

Uma multidão lotou a Avenida Paulista neste sábado (3) em um novo protesto contra o governo Jair Bolsonaro (sem partido) na capital  de São Paulo. O ato aconteceu pacificamente, mas houve confusão após depredação e ataques a policiais feitos por um pequeno grupo, no momento da dispersão. Militantes do PSDB Diversidade foram agredidos durante o ato por um grupo que utilizava camisas e símbolos do PCO.

Leia a matéria completa aqui.

Presidenta da Juventude Socialista de SP convoca para ato contra Bolsonaro

“É uma honra assumir esse desafio, mergulhar de cabeça num trabalho de militância que eu já faço há anos, mas que agora eu posso ajudar a construir na mobilização da juventude de São Paulo a partir de um projeto de país”. É assim que a advogada Amanda Salgado, 25 anos, recém-empossada presidenta da Juventude Socialista do PDT-SP da Capital, inicia a entrevista que concedeu ao Brasil Independente.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Compartilhe

Written by:

1.708 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.