Ricardo Salles pediu demissão após saber que seria preso

Ricardo Salles pediu demissão – Matéria assinada pelas jornalistas Vera Rosa e Andreza Matais no Estadão informa que: Alvo de inquérito que investiga um esquema ilegal de retirada e venda de madeira, Ricardo Salles decidiu pedir demissão do Ministério do Meio Ambiente quando soube, na terça-feira passada, 22, que o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes determinaria sua prisão.

Ao tomar conhecimento da informação por meio de um colega, Salles viu que sua permanência no governo era insustentável.

Na conversa com o presidente Jair Bolsonaro, na quarta-feira, 23, um dia depois de ser informado sobre o risco de prisão, o ainda ministro agradeceu a confiança, mas disse que não tinha mais como continuar na equipe. Bolsonaro pediu, porém, que ele ficasse e enfrentasse o Supremo, visto pelo Palácio do Planalto como uma Corte de decisões políticas.

LEIA: Indígenas recusam vacina após ação de pastores: “Marca da Besta”
LEIA: Omar Aziz debocha de Zambelli após ataque: “Te amo, espanhola”
LEIA: Miranda diz à CPI que Bolsonaro citou Ricardo Barros ao ouvir denúncia
ASSISTA: Vídeo: Paulo Guedes diz que governo apostou em ‘imunidade de rebanho’
LEIA: Alckmin, Datena e Boulos lideram pesquisa em SP; Haddad amarga 9

Segundo o Estadão apurou, Salles respondeu que, além de levar a crise para o centro do governo, temia pela segurança da mãe, também investigada.

A Polícia Federal apura operações financeiras de Salles, tendo como base o escritório de advocacia do qual ele é sócio com a mãe, em São Paulo. O inquérito foi autorizado pelo Supremo, a pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). A suspeita é de que Salles atuava no cargo para favorecer madeireiros que desmatam a Amazônia, abrindo caminho para o contrabando de madeira ilegal.

A ordem de prisão teria como fundamento suspeitas de que Salles estaria atuando para prejudicar as investigações. Ao entregar o cargo, Salles esvaziou essa justificativa, Salles esvaziou essa justificativa, uma vez que não tem mais poder algum na pasta. Além disso, o processo pode sair do Supremo.

ASSISTA: Vídeo: ‘Alertei Bolsonaro pessoalmente’, diz Luis Miranda sobre Covaxin
LEIA: Servidor do Ministério da Saúde depõe na CPI: “Meu partido é o SUS”
LEIA: Covaxin: Flávio Bolsonaro abriu portas do BNDES para dono da Precisa, diz Veja
LEIA: Ciro Gomes ‘explode’ em pesquisa e chega a mais de 15%, diz Exame/Ideia

Alexandre de Moraes analisa se existe mais algum investigado com prerrogativa de foro para manter o caso sob sua relatoria. Se não houver, a investigação terá de ser enviada para a Justiça Federal do Distrito Federal ou do Amazonas. Nesta sexta,  a ministra do STF Cármen Lúcia, relatora de um outro inquérito contra Salles, determinou que o ex-ministro entregue seu passaporte à Polícia Federal para não deixar o País.

A demissão do ministro do Meio Ambiente foi anunciada no mesmo dia em que as suspeitas sobre um esquema de corrupção na compra da vacina indiana Covaxin chegaram a Bolsonaro. Em depoimento à CPI da Covid, nesta sexta-feira, 25, o deputado Luís Miranda (DEM-DF) e seu irmão Luís Fernando Fernandes Miranda, afirmaram ter alertado o presidente sobre irregularidades na aquisição da Covaxin.

Interlocutores de Bolsonaro disseram ao Estadão, porém, que a situação de Salles e os resultados das investigações no meio ambiente o preocupam mais do que as acusações de propina e desvio de dinheiro público apresentadas por Miranda, classificado por ele como dono de um “prontuário extenso”.

LEIA: Daniel Silveira pulou muro para tentar fugir de prisão, diz PF
LEIA: Luis Miranda diz que vai ‘derrubar a República’ na CPI da Covid
LEIA: Patriota não quer Bolsonaro e afasta presidente da sigla por 90 dias
LEIA: Luis Miranda confronta Bolsonaro: “Fala tanto em Deus, essa é a recompensa?”
LEIA: Witzel vai revelar crime de Bolsonaro à CPI e pede “escolta policial”
LEIA: Miranda dispara contra Onyx: “Não me sinto coagido, vou botar ele na cadeia”

O presidente elogia Salles, que teve a gestão de dois anos e meio à frente da pasta marcada por recorde no desmatamento na Amazônia. “Um excelente ministro do Meio Ambiente”, definiu Bolsonaro nesta sexta, em discurso para uma plateia de empresários na cidade de Chapecó (SC).

Deflagrada no dia 19 de maio, a Operação Akuanduba cumpriu mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Salles. O então titular do Meio Ambiente teve os sigilos bancário e fiscal quebrados por ordem de Moraes, relator da ação, e entregou o celular aos investigadores da Polícia Federal.

Para justificar a autorização da operação, Moraes destacou que um relatório de inteligência financeira indicava “movimentação extremamente atípica” de R$ 14,1 milhões, no período de 2012 até metade de 2020, relacionada ao escritório que tem Salles como sócio, na capital paulista.

LEIA: Luís Miranda pede prisão de Onyx Lorenzoni à CPI da Covid
LEIA: Daniel Silveira é preso de novo após tirar tornozeleira 30 vezes
LEIA: Desigualdade dispara no Brasil e 1% mais rico tem 50% da riqueza
LEIA: Fundador da Empiricus: Mercado prefere 3ª via a Lula ou Bolsonaro

Salles foi acusado de atrapalhar investigações da Operação Handroanthus, que apreendeu pelo menos 131 mil metros cúbicos de madeira em tora, na divisa do Amazonas com o Pará. O então superintendente regional da PF no Amazonas, delegado Alexandre Saraiva, enviou ao Supremo notícia-crime contra o então ministro do Meio Ambiente, acusado de obstruir as diligências.

Saraiva foi retirado do cargo, mas jogou luz sobre as denúncias contra Salles. Ao comentar a saída do ministro, nesta quarta-feira, o delegado foi irônico. “Eu avisei que não ia passar boiada”, escreveu. A expressão “passar a boiada” se refere a uma frase usada por Salles. Em reunião ministerial realizada no dia 22 de abril de 2020, o então ministro disse a Bolsonaro que o governo deveria aproveitar o momento em que o foco da mídia estava voltado à cobertura do novo coronavírus para ir “passando a boiada”, com o afrouxamento de regras de proteção ambiental.

Salles integrava a ala ideológica do governo, que perdeu força com a saída dos colegas Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Abraham Weintraub (Educação). Ao deixar o Ministério do Meio Ambiente, disse que havia desempenhado o cargo “da melhor forma possível”. Procurado pelo Estadão, o ex-ministro não se manifestou. Ele sempre negou ter cometido irregularidades e chegou a afirmar que não havia “nenhuma substância” nas acusações.

RECEBA NO SEU CELULAR AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DO DIA

Telegram: AQUI
Whatsapp: AQUI

SE VOCÊ APOIA O IMPEAHCMENT DE JAIR BOLSONARO, ENTRE NESSES GRUPOS:

Facebook: AQUI
WhatsApp: AQUI
Telegram: AQUI
Instagram: AQUI

LEIA: Ricardo Salles pede demissão após virar alvo da PF

LEIA: Amanda Salgado: “Falsos patriotas…o verde e amarelo é nosso!”
LEIA: Pazuello lidera em potenciais falsos testemunhos; CPI aponta 38
LEIA: Tasso pode apoiar Ciro: ‘Candidato de centro não tem que ser do PSDB’

Governo quer flexibilizar validade de alimentos no Brasil

Em um aceno ao setor de supermercados, o governo vai criar um grupo de trabalho para avaliar proposta de flexibilização da regra que trata da validade de alimentos no Brasil. A sugestão é adotar modelo que permita vendas de baixo custo e doações a partir de determinado prazo.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Wilson Witzel diz que é perseguido por investigar morte de Marielle
LEIA: Witzel diz que revelará ‘fato gravíssimo’ contra Bolsonaro em reunião sigilosa

Witzel: Milícia atua na máfia da saúde no RJ; ‘Corro risco de vida’

Em depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (16) no Senado, o ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou que ele e sua família correm risco de vida e que seu impeachment foi financiado por uma máfia na área de saúde.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Casal acusa jovem negro de roubo, é denunciado por racismo e demitido
LEIA: 19J: Manifesto da JS-SP pede povo unido por vacina, trabalho e fora Bolsonaro

Sociólogo diz que desistência de Huck ‘beneficia centro-esquerda’

Em entrevista publicada no Estadão e assinada pelo jornalista Pedro Venceslau, o especialista em pesquisas eleitorais, sociólogo Antonio Lavareda, presidente do conselho do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), disse que os partidos que buscam uma “terceira via” nas eleições presidenciais de 2022, como alternativa à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), precisam encontrar um nome que atinja os dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto até o início do ano que vem.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Kalil não descarta ser vice de Ciro Gomes: “É um ótimo nome”
LEIA: Flávio Dino: ‘Não excluo Ciro Gomes e PDT de qualquer debate’

LEIA: Luciano Huck desiste da presidência em 22 e terá domingo na Globo

Veja mais notícias no BRI.

Compartilhe

Written by:

1.631 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.