Prefeito de São Paulo, Bruno Covas morre aos 41 anos

Morreu na manhã deste domingo o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, aos 41 anos.

Ele foi vítima da metástase de um tumor na cárdia, descoberto em 2019, que se alastrou pelo fígado e pelos ossos. Os médicos afirmaram que a situação era irreversível, após uma piora no quadro clínico.

Covas comandava a prefeitura de São Paulo desde 2018, quando o então prefeito João Doria, de quem Covas era vice, abandonou o cargo para assumir o governo do estado.

Em 2020, Covas foi eleito prefeito. Ao longo do ano, chegou-se a especular se ele seria de fato candidato, devido a seu quadro clínico. O câncer foi, inclusive, explorado por adversários durante a campanha eleitoral.

Covas derrotou Guilherme Boulos (PSOL) com uma larga vantagem no segundo turno e garantiu o direito de permanecer no posto por mais quatro anos.

Evolução do câncer

Em outubro de 2019, Bruno Covas foi diagnosticado com câncer na cárdia, uma válvula localizada entre o esôfago e o estômago. Na ocasião, foram identificados pontos de metástase

O prefeito iniciou um tratamento com sessões de quimioterapia e radioterapia, que fizeram com que os tumores diminuíssem de tamanho.

Ao longo de 2020, Covas manteve o tratamento com imunoterapia e não teve que deixar o cargo, inclusive participando da disputa eleitoral e sendo eleito.

Em fevereiro de 2021, um novo nódulo foi localizado no fígado.

Covas foi internado no dia 15 de abril no Hospital Sírio Libanês. Na ocasião, os médicos constataram que o câncer que vinha tratando havia se alastrado pelo fígado e pelos ossos.

Enquanto estava hospitalizado, Covas publicou uma carta ao filho, Tomás, de 15 anos, nas redes sociais, na qual disse: “a luta continua”.

No dia 27 de abril, Covas teve alta depois da drenagem de líquido no abdômen e na pleura.

Menos de uma semana depois, no dia 2, o prefeito voltou a piorar e precisou ser internado novamente. Dessa vez, pedindo licença do cargo.

No dia 3 de maio, Covas foi transferido para a UTI, devido a um sangramento no estômago. Ele chegou a ser intubado, mas foi extubado horas depois. O prefeito deixou a UTI no dia seguinte.

Ainda com sangramentos no estômago, ele voltou às sessões de radioterapia no dia 6.

Na última sexta-feira (14), Covas teve uma piora e seu estado passou a ser considerado gravíssimo. Os médicos afirmaram que a situação era irreversível.

Carreira Política

Nascido em Santos no dia 7 de abril de 1980, Bruno Covas é neto do ex-governador de São Paulo Mário Covas e desde cedo esteve ligado à política.

No mesmo ano em que começou o curso de direito na USP e o de economia na PUC, em 1998, Covas filiou-se ao PSDB e ascendeu rapidamente no partido.

Em 1999, foi eleito primeiro secretário da Juventude do Partido. Em 2003, tornou-se presidente estadual. Covas foi eleito presidente nacional da Juventude do PSDB, em 2007.

Sua carreira política teve início em 2004, quando foi candidato a vice-prefeito de Santos pelo PSDB. Em 2005 e 2006, foi assessor da liderança dos governos de Geraldo Alckmin e Cláudio Lembo na Alesp.

Covas foi eleito pela primeira vez em 2006, como deputado estadual. Em 2010, foi reeleito ao cargo como o mais votado do estado, com 239 mil votos.

Em 2011, o então governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, convidou Covas para assumir a Secretaria do Meio Ambiente. Em 2014, Covas decidiu se candidatar a uma vaga na Câmara dos Deputados e foi eleito.

Covas foi eleito vice-prefeito de São Paulo na chapa de João Doria em 2016. Dois anos mais tarde, Doria abandonou o cargo para assumir o governo do estado e Covas foi alçado ao posto de prefeito em 2018.

Em 2020, Bruno Covas foi eleito prefeito de São Paulo, tendo Ricardo Nunes como vice.

Histórico:

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

1980 – Nasce em 7 de abril Bruno Covas, em Santos, São Paulo.

1998 – Inicia o curso de direito no Largo São Francisco e o de economia na PUC.

Covas filia-se ao PSDB.

1999 – É eleito primeiro secretário da Juventude do partido.

2003 – Covas torna-se presidente estadual da Juventude peessedebista.

2004 – O tucano se candidata ao cargo de vice-prefeito de Santos e é derrotado.

2005 – Covas atua como assessor da liderança do governo de Gerlado Alckmin na Alesp.

2006 – É eleito deputado estadual por São Paulo.

2007 – Covas é eleito presidente nacional da Juventude do PSDB.

2010 – O deputado é reeleito ao cargo na Alesp.

2011 – O tucano é nomeado secretário do Meio Ambiente por Geraldo Alckmin.

2014 – Covas é eleito deputado federal.

2016 – É eleito vice-prefeito de São Paulo na chapa de João Doria.

2018 – Doria deixa a prefeitura para concorrer ao governo de São Paulo. Covas assume.

2019 – O então prefeito é diagnosticado com um câncer na cárdia e inicia o tratamento.

2020 – O tucano é eleito prefeito de São Paulo, mesmo com incertezas sua condição de saúde.

2021 – Equipe médica detecta que o tumor de Bruno Covas se alastrou pelo sistema digestivo.

Fonte: O Antagonista

Opinião: Edir Macedo, Bolsonaro e o neoimperialismo moral da Universal em Angola

Deixa eu contar pra vocês uma história. O bispo Edir Macedo e sua Igreja Universal há algum tempo (quase 30 anos) começaram a fazer aquelas coisas que chamávamos de missões no Brasil colônia, só que nos países de língua portuguesa na África. Até aí, cada um com o seu corre religioso, com a sua crença. Não fosse apenas uma igreja qualquer entrando em um país para tentar convencer as pessoas a se converterem a sua crença, a discussão se daria em outro tom.

Leia a matéria completa aqui.

Bolsonaro ignora crise em Angola e Universal ameaça romper com governo

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pode perder um importante aliado: a Igreja Universal do Reino de Deus. Edir Macedo já teria enviado recados ao presidente que pode desembarcar do governo e levar consigo congressistas do Republicano. O motivo para tal ruptura é que o líder religioso alega que o governo federal não interveio para favorecer a igreja com a crise em Angola.

Leia a matéria completa aqui.

49% apoiam impeachment de Bolsonaro, que tem 24% de aprovação

O índice da população que apoia o impeachment do presidente Jair Bolsonaro é, pela primeira vez, numericamente maior do que o percentual de quem é contrário ao afastamento, de acordo com pesquisa Datafolha divulgada neste sábado.

Leia a matéria completa aqui.

Presidente do PDT, Lupi aponta para segundo turno entre Ciro e Lula

Presidente nacional do PDT, Carlos Lupi afirmou que os números das últimas pesquisas para a eleição presidencial de 2022 mostram um possível segundo turno entre Ciro Gomes e Lula.

Leia a matéria completa aqui.

Thiago Manga: “Me cobrem: vai dar Ciro x Lula”

Jair Bolsonaro está acabado. O ser humano mais vil que já se sentou na cadeira presidencial cometeu inúmeros crimes e distribuiu irresponsabilidades. A CPI da Covid, que hoje teve confusão e barraco, vai concluir que o presidente cometeu crime de omissão, para dizer o mínimo.

Leia o texto na íntegra aqui.

Ataque de Israel a Gaza deixa oito crianças mortas

Dez pessoas de uma mesma família palestina, incluindo oito crianças, foram mortas neste sábado (15) em um bombardeio de Israel na Faixa de Gaza, informaram fontes médicas.

Leia a matéria completa aqui.

Ex-jogador Raí pede vacina e dispara contra Bolsonaro: “A peste que nos destrói”

O ex-jogador de futebol Raí publicou um artigo no jornal francês Le Monde e reproduzido pelo UOL em que exige que todos os brasileiros recebam a vacina contra a covid-19 com urgência e dispara contra o governo de Jair Bolsonaro (sem partido). “A peste que nos destrói”.

Leia a matéria completa aqui.

Tucano histórico, Geraldo Alckmin decide deixar o PSDB, diz jornal

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin anunciou a pessoas próximas que deve sair do PSDB. A gota d’água foi o anúncio de filiação do vice-governador Rodrigo Garcia à legenda, consolidando a candidatura dele ao governo de São Paulo e bloqueando o caminho de Alckmin. Garcia teve o patrocínio de Doria.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.338 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *