Mandetta: Nise Yamaguchi era ‘urubu’ que queria alterar bula da cloroquina

Alterar bula da cloroquina – O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta reafirmou à coluna de Mônica Bergamo, na Folha de São Paulo que encontrou a médica Nise Yamaguchi no dia 6 de abril de 2020 no Palácio do Planalto e que ela sugeriu, da fato, alterar a bula da cloroquina/hidroxicloroquina por meio de decreto presidencial. A ideia era que a Covid-19 fosse incluída na lista de doenças para as quais servem esses medicamentos.

Nise negou nesta terça (1º) em depoimento à CPI da Covid que tenha feito a proposta. Disse que houve um equívoco e que a ideia sempre foi orientar o protocolo de prescrição desses recursos farmacológicos.

LEIA: PDT convida senador Fabiano Contarato e frustra PT e Lula
LEIA: Governador João Doria veta Copa América em São Paulo, diz jornal
LEIA: STF manda Bolsonaro explicar Copa América no Brasil

“Eu fui ao Palácio do Planalto, era o dia em que eu seria demitido [conforme anunciavam os jornais]. A Nise estava lá com outro médico, um cardiologista. Estavam como urubu na carniça”, afirma ele.

Segundo Mandetta, o presidente da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), Antonio Barra Torres, também participou da reunião, bem como o então chefe da Casa Civil, general Braga Netto, e o então secretário-geral da Presidência, Jorge Oliveira.

ASSISTA: Vídeo: Senador ‘janta’ médica bolsonarista na CPI da Covid: “Nem estudou!”
ASSISTA: Vídeo: Luis Roberto diz que Copa América no Brasil é “tapa na cara dos brasileiros!”

“Cheguei no Planalto e o Braga Netto me disse ‘temos que subir para o quarto andar, tem uns médicos lá'”, relembra Mandetta.

“Entrei na sala e estava ela. Perguntei: ‘Qual é o seu nome?’. E ela: ‘Nise Yamaguchi’. Falei: ‘Ah, você é a Nise'”, relembra o ex-ministro.

Ele afirma que viu sobre a mesa a minuta do decreto que mudaria a bula da cloroquina. “O Barra Torres ficou indignado e disse que a Anvisa não permitiria aquilo”, afirma Mandetta.

LEIA: Campeão mundial de F1, Lewis Hamilton apoia protestos no Brasil
LEIA: Morte suspeita de homem após ato contra Bolsonaro choca amigos em SP

O ex-ministro diz ainda que afirmou a Nise que, caso ela quisesse fazer uma pesquisa sobre a eficácia da hidroxicloroquina para a Covid-19, o Ministério da Saúde poderia financiá-la, como já estava fazendo com outros estudos.

Diante da reação dele e de Barra Torres, o secretário-geral recolheu o papel e disse que aquilo não teria continuidade.

Mandetta ganhou uma curta sobrevida no cargo: naquele dia, os militares palacianos ainda tentavam convencer Jair Bolsonaro a mantê-lo à frente da pasta.

No dia 16 de abril, o presidente finalmente demitiu o ministro.

Fonte: Folha de S. Paulo

Vídeo: Médico bolsonarista preso no Egito assediou mulher na Austrália

Depois de fazerem repercutir o episódio de assédio do médico Victor Sorrentino, levando-o à prisão no Egito, internautas resgataram nas redes sociais um outro caso de assédio provocado pelo bolsonarista, desta vez na Austrália, em 2014.

Leia a matéria completa aqui.

PGR pede ao STF para investigar Ricardo Salles, ministro de Bolsonaro

A Procuradoria Geral da República (PGR) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de abertura de inquérito para investigar o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A relatora do caso será a ministra Cármen Lúcia.

Leia a matéria completa aqui.

Deputado vai ao STF para impedir Copa América no Brasil

Após a Conmebol anunciar o Brasil como novo país-sede da Copa América, na manhã desta segunda-feira, autoridades brasileiras já se mobilizam para impedir o evento que está marcado para começar dia 13 de junho.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.389 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *