Ligada ao PT, CUT não assina nota contra violência do PCO em atos

CUT não assina nota contra violência do PCO – Matéria da Folha de S. Paulo informa que em nota conjunta nesta quarta-feira (7), as centrais sindicais criticaram militantes do PCO (Partido da Causa Operária) e repudiaram os episódios de agressões contra militantes do PSDB e outros manifestantes no último sábado (3), durante um dos protestos contra o presidente Jair Bolsonaro em São Paulo.

Assinam a nota os presidentes de Força Sindical, UGT, CTB, CSB, NCST, CGTB e Pública Central do Servidor. A CUT não assinou o documento.

“Infelizmente, assistimos no último sábado (3) casos de pura intolerância e autoritarismo por parte de militantes do Partido da Causa Operária (PCO). Diversas organizações foram agredidas com palavras e até mesmo fisicamente em uma grotesca demonstração de selvageria por parte dos black blocs (que para nós são infiltrados) e de falta de discernimento sobre o que é a democracia. Repudiamos todo tipo de violência e não aceitamos as agressões ocorridas no último sábado”, diz a nota.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Ex-diretor da Saúde foi preso na CPI após ‘acordo secreto’, diz site
LEIA: Vídeo: Veja discurso de Omar Aziz ao pedir prisão de Roberto Dias
LEIA: Saiba o que Roberto Dias disse à CPI da Covid antes de ser preso
LEIA: Urgente: Roberto Dias sai preso da CPI da Covid
LEIA: Nem Lula nem Bolsonaro: indecisos para presidente são maioria
LEIA: Ministro confirma reunião com filho de Bolsonaro

A nota afirma que o período atual exige o resgate do espírito que conduziu as manifestações pelas Diretas, Já, em 1984, quando nomes como Lula, Leonel Brizola, Fernando Henrique Cardoso, Luís Carlos Prestes, Franco Montoro, entre outros de posições distintas no espectro político se uniram pelo fim da ditadura militar.

“Não nos interessa que tais manifestações sejam atribuídas apenas a um segmento da sociedade. Que sejam manifestações de um país, de uma nação! E para chegarmos a esse patamar precisamos ter a decência, a humildade e a inteligência de superar eventuais diferenças.”, afirma o texto.

“Em um momento grave em que estamos vivendo, com mortes e desemprego, temos que buscar solidariedade com quem quer um Brasil melhor. Não se pode criar desavenças na busca desse objetivo”, afirma Ricardo Patah, da UGT.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Polícia investiga estupro em boate no RJ; deputado do PSL e PM são donos
LEIA: Presidente do Haiti é assassinado a tiros em Porto Príncipe
LEIA: Babalaô montará programa de Ciro Gomes sobre questão racial, diz jornal
LEIA: CPI da Covid retira sigilo de informações de celular de policial militar

“Não vamos passar pano. Queremos que seja uma manifestação ampla, democrática, com a participação do maior número possível de pessoas. Agora o momento é de união de todos e não vamos deixar que um grupelho de black blocs atrapalhe isso. Rasgaram a bandeira de um deputado federal do PCdoB [Orlando Silva, SP]. É um absurdo”, diz João Carlos Gonçalves, o Juruna, secretário-geral da Força Sindical.

“Para o impeachment de Jair Bolsonaro precisamos de 342 votos e de ampla pressão sob o presidente da Câmara, Arthur Lira. Isso não será possível apenas com as forças de esquerda. Somente com uma ampla unidade de forças democráticas seremos capazes de pressionar Lira e derrotar esse Governo genocida. Não há mais tempo para sectarismos de ocasião”, afirma Antonio Neto, presidente da CSB.

O texto destaca os meses sem auxílio emergencial por decisão do governo federal, os altos índices de desemprego e os aumentos no preço do gás de cozinha e da energia elétrica.

“Para envolver todo o país no processo de denúncias e repúdio contra a política genocida do governo, o movimento faz bem em ampliar suas articulações e unindo todos e todas que hoje levantam a bandeira da vida, da vacina, da democracia e do Estado de Direito”, acrescenta.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Homofobia e machismo: Grupo ligado a PT tem ataque a Ciro e Eduardo Leite
LEIA: Gleisi Hoffman ataca Ciro Gomes: ‘Pior’ que Bolsonaro e ‘jagunço’
LEIA: Bolsonaro confirma André Mendonça novo ministro do STF
LEIA: Mulher de Queiroz chora em áudio: “Qual o problema? Vão matar?”
LEIA: PDT-SP repudia agressões de militantes do PCO em nota oficial

Gravações apontam Bolsonaro envolvido em esquema de corrupção

Gravações inéditas apontam o envolvimento direto do presidente da República, Jair Bolsonaro, no esquema ilegal de entrega de salários de assessores na época em que ele exerceu seguidos mandatos de deputado federal (entre os anos de 1991 e 2018).

Leia a matéria completa aqui.

Manifestantes lotam Avenida Paulista em novo ato contra Bolsonaro

Uma multidão lotou a Avenida Paulista neste sábado (3) em um novo protesto contra o governo Jair Bolsonaro (sem partido) na capital  de São Paulo. O ato aconteceu pacificamente, mas houve confusão após depredação e ataques a policiais feitos por um pequeno grupo, no momento da dispersão. Militantes do PSDB Diversidade foram agredidos durante o ato por um grupo que utilizava camisas e símbolos do PCO.

Leia a matéria completa aqui.

Presidenta da Juventude Socialista de SP convoca para ato contra Bolsonaro

“É uma honra assumir esse desafio, mergulhar de cabeça num trabalho de militância que eu já faço há anos, mas que agora eu posso ajudar a construir na mobilização da juventude de São Paulo a partir de um projeto de país”. É assim que a advogada Amanda Salgado, 25 anos, recém-empossada presidenta da Juventude Socialista do PDT-SP da Capital, inicia a entrevista que concedeu ao Brasil Independente.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Compartilhe

Written by:

1.631 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.