Kalil se afasta de Lula: ‘Tava na TV em novembro pedindo voto contra mim’

Kalil se afasta de Lula – O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), continua dizendo ser avesso a “rótulos” políticos. Apesar disso, diz que aceitaria apoios de partidos de campos opostos, como o PT e o PSL. Mesmo afirmando que composições são bem-vindas, garante que não vai “pular no colo” do petista Luiz Inácio Lula da Silva.

Em entrevista exclusiva ao Estado de Minas, Kalil lembrou que, na última eleição municipal, Lula participou da campanha de Nilmário Miranda, que representou o Partido dos Trabalhadores na disputa.

“Lula estava na televisão em novembro pedindo voto contra mim. Eu tenho obrigação de pular no colo dele?”, disse, nessa terça-feira (22/6).

LEIA: Ricardo Salles pede demissão após virar alvo da PF
LEIA: Palocci pede desfiliação do PT: ‘Presenciei desmonte moral’ de Lula
LEIA: Tico Santa Cruz: “Lula não é minha opção para o 1º turno de 2022”
LEIA: MP denuncia 35 PMs por motim no Ceará em que Cid Gomes foi baleado

Ele lembrou que o ex-presidente e Jair Bolsonaro (sem partido) trabalharam contra a sua reeleição, no ano passado. Na semana passada, Kalil admitiu ser pré-candidato ao governo mineiro.

“Vamos ver o que vai acontecer até lá. Falta muita água para passar debaixo dessa ponte”, ressaltou ontem. “Apoio, eu quero de todo mundo. Do Novo, do PT, do PDT, do PSB… Quero apoio de todos. Do PSL (também)”, exemplificou, ao tratar de possíveis alianças, visto que é tido como iminente concorrente de Romeu Zema (Novo) ao Palácio Tiradentes.

Neste ano, Kalil se reuniu com Fernando Haddad, que representou o PT na disputa presidencial de 2018.

LEIA: Site contabiliza ‘cagadas’ de Bolsonaro; conheça o ‘Cagômetro’
LEIA: CNN publica mensagens entre Luis Miranda e assessor do governo Bolsonaro
ASSISTA: Vídeo: Cristãos Trabalhistas rebate ataque de Silas Malafaia a Ciro Gomes
LEIA: Covaxin: Deputado diz que alertou Bolsonaro sobre ‘algo estranho’

Carlos Lupi, que comanda o diretório nacional pedetista, também esteve em Belo Horizonte. Anteriormente, houve encontro com Carlos Siqueira, que preside o PSB.

O prefeito diz que vai manter o diálogo com diversas forças. Ele não se furta, inclusive, a conversar com lideranças antagônicas.

“Se o Bolsonaro vier, ou me convocar, eu vou lá. Se o Lula vier aqui, será muito bem recebido”, garantiu.

LEIA: Amanda Salgado: “Falsos patriotas…o verde e amarelo é nosso!”
LEIA: Pazuello lidera em potenciais falsos testemunhos; CPI aponta 38
LEIA: Tasso pode apoiar Ciro: ‘Candidato de centro não tem que ser do PSDB’

Na entrevista ao Estado de Minas, Kalil voltou a afirmar que não pode ser rotulado em termos políticos. “Já tenho uma etiqueta. Sou atleticano. É como brinquei: daqui a pouco, vão descobrir uma tatuagem do Cruzeiro na minha coxa. Querem colocar estrela no meu peito e que eu pegue em armas. Não entra na cabeça de ninguém que não tenho etiqueta”.

Papel em eleição presidencial

Ao ser perguntado sobre a disputa que bolsonaristas e petistas devem travar no próximo ano, Alexandre Kalil diz não descartar a neutralidade. Para isso, recorre à última eleição belo-horizontina.

“Me dou o direito, inclusive, de ficar neutro. Quem veio me ajudar na minha reeleição? Vocês tiveram notícias de Bolsonaro ou Lula aqui? Por que sou obrigado a não cruzar os braços e a não dizer ‘vota em quem quiser’?”, indagou. “Os dois tentaram puxar o meu pé aqui”, falou.

ASSISTA: Vídeo: Bolsonaro tira máscara e ofende jornalista: “Cala a boca!”
LEIA: Desaprovação de Bolsonaro bate recorde e supera 50%, diz pesquisa
LEIA: Boulos se irrita com pressão do PT: ‘postura de quem não quer unidade’
LEIA: Reforma administrativa prevê 1 milhão de cargos para municípios, estados e União

Mesmo assim, o prefeito reconhece que pode optar por algum caminho. “Posso chegar e falar ‘não vou ficar neutro, não. E qual é a força que eu tenho? Isso tem que ser me dito. Parece que o apoio do prefeito de Belo Horizonte pode mudar o cenário nacional. Até nisso tem que ter autocrítica. O que vai mudar se eu apoiar um ou outro?”, completou.

LEIA: Bolsonarista que atacou senador Randolfe após vacina é identificado
LEIA: Irmão de Michelle Bolsonaro ganha emprego no Senado com salário de R$ 13,5 mil
LEIA: Governo Bolsonaro comprou vacina indiana superfaturada e sem aval da Anvisa
LEIA: Primeiro-ministro da Suécia é afastado pelo Parlamento

LEIA: Equipe eleitoral de Bolsonaro alerta para avanço de Ciro Gomes: “Lula ajuda”
LEIA: BNDES financiou R$ 280 milhões a empresas que produzem cloroquina

Governo quer flexibilizar validade de alimentos no Brasil

Em um aceno ao setor de supermercados, o governo vai criar um grupo de trabalho para avaliar proposta de flexibilização da regra que trata da validade de alimentos no Brasil. A sugestão é adotar modelo que permita vendas de baixo custo e doações a partir de determinado prazo.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Wilson Witzel diz que é perseguido por investigar morte de Marielle
LEIA: Witzel diz que revelará ‘fato gravíssimo’ contra Bolsonaro em reunião sigilosa

Witzel: Milícia atua na máfia da saúde no RJ; ‘Corro risco de vida’

Em depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (16) no Senado, o ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou que ele e sua família correm risco de vida e que seu impeachment foi financiado por uma máfia na área de saúde.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Casal acusa jovem negro de roubo, é denunciado por racismo e demitido
LEIA: 19J: Manifesto da JS-SP pede povo unido por vacina, trabalho e fora Bolsonaro

Sociólogo diz que desistência de Huck ‘beneficia centro-esquerda’

Em entrevista publicada no Estadão e assinada pelo jornalista Pedro Venceslau, o especialista em pesquisas eleitorais, sociólogo Antonio Lavareda, presidente do conselho do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), disse que os partidos que buscam uma “terceira via” nas eleições presidenciais de 2022, como alternativa à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), precisam encontrar um nome que atinja os dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto até o início do ano que vem.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Kalil não descarta ser vice de Ciro Gomes: “É um ótimo nome”
LEIA: Flávio Dino: ‘Não excluo Ciro Gomes e PDT de qualquer debate’
LEIA: Luciano Huck desiste da presidência em 22 e terá domingo na Globo

Veja mais notícias no BRI.

Compartilhe

Written by:

1.631 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.