Governo Bolsonaro comprou vacina indiana superfaturada e sem aval da Anvisa

Vacina indiana superfaturada – Adquirida por valor quatro vezes superior às demais vacinas (R$ 80,70), o imunizante indiano da Covaxin recebeu um tratamento muito diferenciado em relação a seus similares da Pfizer e a Sputnik V.

Enquanto as demais só foram adquiridas posteriormente a autorização da Anvisa, ela foi antes de que a autoridade sanitária desse o seu aval.

Pelo contrato assinado em fevereiro, as primeiras doses chegariam ao país em maio, mas até a presente data nenhuma foi entrega. Pelas informações obtidas pelo TCU, a vacina produzida na Índia só deverá chegar ao país no fim do ano.

LEIA: Primeiro-ministro da Suécia é afastado pelo Parlamento
LEIA: CPI: gabinete do governo sueco descartou lockdown e foi derrubado
LEIA: Relatório do ABIN questiona lisura da fortuna do ‘Véio da Havan’

As informações são do Jornal Nacional.

CPI da Covid investiga

A CPI da Covid apura se os esforços do governo federal para aquisição de vacinas contra a covid-19 foram seletivos, com uma especial atenção ao imunizante batizado de Covaxin, produzido pelo laboratório indiano Bharat Biotech — representado no Brasil pela Precisa Medicamentos. Mesmo sabendo que a previsão de chegada das primeiras doses da Covaxin era fevereiro de 2021, por exemplo, o presidente Jair Bolsonaro atuou pessoalmente nas tratativas para incorporar a vacina indiana no Programa Nacional de imunização (PNI), deixando de lado negociações muito mais avançadas e com garantias de fornecimento ainda em 2020, como a da Pfizer e a da CoronaVac.

Documentos com caráter sigiloso que chegaram à CPI, e obtidos pelo Correio, revelam que o governo federal sabia que a vacina enfrentava entraves na própria Índia, sendo alvo de controvérsias em agosto de 2020. Em 4 de fevereiro, a Embaixada do Brasil em Nova Délhi enviou um telegrama ao Ministério das Relações Exteriores relatando que a imprensa indiana vinha apontando que a adesão ao programa de imunização poderia ser considerada limitada.

ASSISTA: Ao vivo: CPI ouve Osmar Terra que previu ‘muito menos que 400 mil mortos’
ASSISTA: Vídeo: Bolsonaro tira máscara e ofende jornalista: “Cala a boca!”
LEIA: Desaprovação de Bolsonaro bate recorde e supera 50%, diz pesquisa

Conforme o documento, acreditava-se haver “certa ‘hesitação’ por parte dos cidadãos, atribuída a dúvidas com relação à segurança e à eficácia de uma das vacinas do programa, a Covaxin”. “Uma vez que, segundo os críticos, o processo de sua aprovação pelas autoridades sanitárias teria sido ‘pouco transparente’ e ‘açodado’”, explica o telegrama.

Assista ao vivo:

Os alertas não fizeram o governo brasileiro recuar, e o contrato de R$ 1,6 bilhão para a aquisição de 20 milhões de doses do imunizante foi firmado pouco depois, em 25 de fevereiro. Antes disso, no dia 18 de janeiro, outro telegrama relatava o início do programa de vacinação contra covid-19 no dia 16 e que, naquela ocasião, “confirmou-se maior hesitação em relação à Covaxin”.

“O processo alegadamente opaco de autorização para uso emergencial dessa vacina, conforme relatei, tem sido alvo de críticas da opinião pública e da oposição, em particular do Partido do Congresso Indiano”, pontua.

O documento relata, ainda, que estava sendo exigida a assinatura de um termo de responsabilidade àqueles que seriam imunizados com a Covaxin, “o qual alertava para o status de testes clínicos da vacina, dados sobre sua eficácia e informava que, em caso de reações adversas graves ligadas à inoculação, haveria compensação por parte do fabricante Bharat Biotech”.

LEIA: General Santos Cruz: Polarização Bolsonaro x Lula não interessa ao país
LEIA: Ciro no Flow: ‘Bolsonaro é assassino e será julgado no Tribunal de Haia’
LEIA: Metade dos jovens quer deixar Brasil por falta de perspectivas

Em julho do ano passado, já se falava sobre polêmicas envolvendo o imunizante. Em 15 de julho, o embaixador do Brasil na Índia, André Aranha, encaminhou telegrama para o Ministério das Relações Exteriores narrando que o ambiente de pesquisa indiano era alvo de polêmica após vazamento de mensagem do diretor-geral do principal órgão estatal financiador e coordenador de pesquisa na área médica.

“Na mensagem, o diretor instava administradores de hospitais a concederem rapidamente as aprovações necessárias para a aplicação em profissionais de saúde na data informada”, destaca Aranha.

A pressão gerou reação por parte da comunidade científica indiana, que apontou o caráter “irresponsável” e “irrealista” do prazo, narra o embaixador, completando que a polêmica fez com que o órgão financiador emitisse uma nota informando que a fala do diretor “tinha apenas o intuito de forçar a remoção de burocracias desnecessárias para coordenar a arregimentação de pessoas que receberiam, em momento oportuno, as primeiras doses da vacina aprovada”. Na mesma mensagem, Aranha avalia que a Covaxin estaria efetivamente disponível apenas no início de 2021.

LEIA: Boulos se irrita com pressão do PT: ‘postura de quem não quer unidade’
LEIA: Equipe eleitoral de Bolsonaro alerta para avanço de Ciro Gomes: “Lula ajuda”
LEIA: BNDES financiou R$ 280 milhões a empresas que produzem cloroquina

Em outra comunicação sobre o cenário das vacinas em 1º de dezembro de 2020, o embaixador revela que a Covaxin era considerada o primeiro imunizante contra a covid-19 totalmente indiano e que estava na fase três de testes, podendo ser lançado em fevereiro.

Naquele momento, por exemplo, a Pfizer já havia concluído os estudos de fase 3 nos Estados Unidos. Em janeiro deste ano, Bolsonaro enviou uma carta ao primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, afirmando que a candidata estava “entre as vacinas selecionadas pelo governo brasileiro”, mesmo sem qualquer aprovação regulatória e sem estar entre os imunizantes cujos estudos eram realizados no Brasil. A mensagem é de 8 de janeiro e, nela, o presidente cita a vacina da AstraZeneca com a Universidade de Oxford, com produção pelo Instituto Serum, e pede urgência no envio de 2 milhões de doses.

O contrato para aquisição das vacinas Covaxin é alvo, inclusive, de uma apuração do Ministério Público Federal (MPF). Documentos enviados à CPI da Covid mostram que um servidor relatou ao MPF “pressões anormais, por meio de mensagens de texto, e-mails, telefonemas, pedidos de reuniões” para resolver entraves em relação à importação da vacina indiana.

As informações estão no requerimento do vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), de transferência dos sigilos bancário, fiscal, telefônico e telemático de Alex Lial Marinho, ex-coordenador-geral de Logística de Insumos Estratégicos para Saúde, exonerado no último dia 8. No requerimento, o parlamentar ressalta que Marinho “é nome importante no episódio de contratação da vacina indiana Covaxin e na omissão do governo em relação à negociação com Pfizer”.

LEIA: Witzel diz que Flávio Bolsonaro é ‘dono’ de hospitais federais do RJ
LEIA: Líder de caminhoneiros ameaça greve: “Estamos no limite”
LEIA: Diversos partidos se reúnem e anunciam: ‘nem Lula, nem Bolsonaro’

“Conforme documentação recebida pela CPI, o coordenador-geral de Aquisições de Insumos Estratégicos para Saúde atuou fortemente para que seus funcionários superassem, de qualquer forma, os entraves junto à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), que impediam a entrada da vacina Covaxin em território nacional”, diz o requerimento. “Em depoimento recebido por esta CPI, um servidor informa sobre pressões anormais por meio de mensagens de texto, e-mails, telefonemas, pedidos de reuniões, tendo sido procurado, inclusive, fora de seu horário de expediente, em sábados e domingos.”

Segundo informações de Rodrigues, o servidor informou que “o alto escalão do Ministério da Saúde, tal qual a Secretaria-Executiva, a sua própria coordenação, dentre outros setores pediam que fosse encontrada a ‘exceção da exceção’ (palavras do servidor) junto à Anvisa para que os entraves fossem superados”.

O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) afirmou que o interesse de Bolsonaro pela Covaxin é “diametralmente oposto” ao das outras candidatas na mesa de negociações. “No tocante à Pfizer, temos, ao longo de um ano, um debate intenso; da mesma forma acontece com a CoronaVac, mas com a Covaxin eles (governo federal) fazem o contrário: partem em busca da vacina, insistem, tentam conseguir aprovação antecipada junto à Anvisa e fazem a contratação através de uma empresa intermediária, o que é totalmente fora do padrão das outras contratações”, ressaltou.

A empresa mencionada pelo senador é a Precisa Medicamentos. Questionada pela reportagem, a companhia afirmou que “jamais promoveu qualquer tipo de pressão e não contou com vantagens durante esse processo”. “Em todas as ocasiões, seguiu de forma ética e transparente todos os processos burocráticos e exigências do Ministério da Saúde e da Anvisa para viabilizar a importação da vacina Covaxin para o Brasil”, frisou.

Os esclarecimentos devem ser feitos, também, à CPI, por Francisco Maximiano, sócio da empresa, convocado para depor amanhã. Ele teve as quebras de sigilo telefônico e telemático aprovadas pelos senadores.

As informações são do Blog da Cidadania.

CPI falou sobre Suécia esta manhã

O deputado federal Osmar Terra (MDB-RS), um dos principais aliados e defensores do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) ao longo da pandemia do novo coronavírus, insistiu, em seu depoimento, na tese de que países que não fecharam tiveram melhor desempenho no combate à pandemia do que os que fizeram isolamento social.

Terra pediu a convocação de autoridades que combateram a pandemia em locais que ele considera bem sucedidos, como a Suécia.

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) rebateu com a informação de que na Suécia morreram seis vezes mais pessoas do que na Noruega e Dinamarca, onde houve isolamento social.

Randolfe destacou ainda que após uma CPI no país, o gabinete do governo sueco responsável pelo enfrentamento à pandemia caiu.

Governo quer flexibilizar validade de alimentos no Brasil

Em um aceno ao setor de supermercados, o governo vai criar um grupo de trabalho para avaliar proposta de flexibilização da regra que trata da validade de alimentos no Brasil. A sugestão é adotar modelo que permita vendas de baixo custo e doações a partir de determinado prazo.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Wilson Witzel diz que é perseguido por investigar morte de Marielle
LEIA: Witzel diz que revelará ‘fato gravíssimo’ contra Bolsonaro em reunião sigilosa

Witzel: Milícia atua na máfia da saúde no RJ; ‘Corro risco de vida’

Em depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (16) no Senado, o ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou que ele e sua família correm risco de vida e que seu impeachment foi financiado por uma máfia na área de saúde.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Casal acusa jovem negro de roubo, é denunciado por racismo e demitido
LEIA: 19J: Manifesto da JS-SP pede povo unido por vacina, trabalho e fora Bolsonaro

Sociólogo diz que desistência de Huck ‘beneficia centro-esquerda’

Em entrevista publicada no Estadão e assinada pelo jornalista Pedro Venceslau, o especialista em pesquisas eleitorais, sociólogo Antonio Lavareda, presidente do conselho do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), disse que os partidos que buscam uma “terceira via” nas eleições presidenciais de 2022, como alternativa à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), precisam encontrar um nome que atinja os dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto até o início do ano que vem.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Kalil não descarta ser vice de Ciro Gomes: “É um ótimo nome”
LEIA: Flávio Dino: ‘Não excluo Ciro Gomes e PDT de qualquer debate’
LEIA: Luciano Huck desiste da presidência em 22 e terá domingo na Globo

Veja mais notícias no BRI.

Compartilhe

Written by:

1.631 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.