G7 convida aliados para cúpula e deixa Bolsonaro de fora

As principais economias do mundo desenvolvido realizam nesta sexta-feira sua cúpula, com uma pauta que inclui a resposta à pandemia, a recuperação do crescimento econômico e meio ambiente. A relação com a China e Rússia também irá dominar as conversas, num debate evidente sobre a reconstrução do sistema internacional para a era pós-pandemia.

O G7, neste ano, optou por repetir o que já é uma tradição e convidou aliados. Mas deixou o presidente Jair Bolsonaro de fora, frustrando os planos do governo brasileiro de se aproximar dos países ricos.

No evento que é sediado pelo governo britânico, o G7 (formado por Canadá, Reino Unido, Itália, Japão, França, EUA e Alemanha) estendeu o convite para Índia, Coreia do Sul e Austrália.

Há dois anos, na França, o presidente Emmanuel Macron também fez convites a parceiros e emergentes durante a cúpula do G7. Mas, uma vez mais, o Brasil ficou de fora. Paris optou por chamar o Chile, Egito, África do Sul, Senegal, Índia e Ruanda.

LEIA: Thiago Manga: ‘Acabou, p….!’; O Brasil no avião que escorraçou Bolsonaro
ASSISTA: “Fora genocida!”; Bolsonaro é vaiado e xingado ao entrar em avião
ASSISTA: Bióloga ‘janta’ Bolsonaro; “Não testamos cloroquina em emas porquê elas fugiram”
LEIA: CPI da Covid aprova condução coercitiva de Carlos Wizard
LEIA: CPI quebra sigilo telefônico de ex-ministros Pazuello e Ernesto Araújo

Em 2020, Bolsonaro anunciou que Donald Trump o havia convidado para a cúpula, que seria organizada nos EUA. Mas a pandemia e a derrota eleitoral do republicano obrigaram a Casa Branca a reconsiderar o evento.

Dentro do governo brasileiro, as esperanças eram elevadas de que Trump incluiria o Brasil em uma nova aliança para repensar o mundo, no período pós pandemia. Em abril de 2020, numa reunião ministerial, o então chanceler Ernesto Araújo chegou a comentar que apostava numa redefinição do sistema internacional diante da covid-19 e indicava que haveria uma possibilidade real de que o Brasil fizesse parte de uma espécie de novo diretório mundial, ao lado dos EUA.

“Eu tô cada vez mais convencido de que o Brasil tem hoje as condições, tem a oportunidade de se sentar na mesa de quatro, cinco, seis países que vão definir a nova ordem mundial”, disse o então ministro, naquele encontro com a presença de Bolsonaro. “É, outro dia a…na conversa do presidente com o primeiro ministro da Índia, o indiano disse que vai ser tão diferente o pós-coronavírus do pré quanto pós Segunda Guerra do pré”, explicou Araújo.

Mas a ausência na mesa das maiores economias do mundo passou a ser uma frustração para o governo brasileiro que, desde que chegou a poder, demonstrou que tinha como objetivo se alinhar aos interesses do Ocidente. Parte da estratégia ainda envolve uma adesão à OCDE.

Enquanto isso, o governo brasileiro esvaziou o Mercosul, desfez alianças na América do Sul, se afastou de projetos na África e passou a minimizar a cúpula dos Brics.

LEIA: Promotor pede prisão de Keiko Fujimori no Peru
LEIA: João Amoedo desiste de candidatura à presidência pelo Novo

Mas a aproximação esperada com as economias ricas não se concretizou da forma que se esperava e o Brasil continuou fora da mesa de negociações.

No G7, se a ausência da China ocorre por uma questão estratégica e geopolítica, a situação do Brasil é interpretada no meio diplomático como um sinal da perda de prestígio internacional do país e de resistência por parte dos países ricos em aceitar a presença de Bolsonaro na mesa de negociações.

A primeira real participação do Brasil nos eventos das economias desenvolvidas ocorreu em 2003, quando o então presidente Jacques Chirac convidou o país e outros emergentes para a cúpula em Evian e que, naquele momento, era conhecida como G8.

O Brasil fez parte dos eventos de 2005, na Escócia. Em 2006, Angela Merkel uma vez mais convidou o Brasil para a cúpula que ela organizava, algo que se repetiu no ano seguinte no Japão e em 2008 na Itália.

A partir de 2009, diante da crise econômica mundial, o G20 tomou o espaço que era do G7. Com as economias emergentes se transformando em um novo motor do crescimento global, uma das metas dos BRICS era justamente a de retirar o peso político do G7 e transferir para o novo grupo o papel de diretório do mundo.

Naquele momento, o então ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, chegou a dizer que “o G8 morreu”. “Não representa mais nada”, disse. “Eu não sei como vai ser o enterro, às vezes o enterro ocorre lentamente.”

“Hoje, por qualquer critério, economias como China, Brasil e Índia são economias importantes, que têm um efeito na economia mundial maior do que muitos outros que estão no G8”, disse.

LEIA: Senado aprova projeto que protege brasileiros de superendividamento
LEIA: Ciro consolida 3ª via após quase dobrar porcentagem em pesquisa

A partir daquele momento, o Brasil passou a se distanciar do G8, mas por uma ação deliberada do governo.

O cenário muda radicalmente com o fim do governo de Dilma Rousseff. Mas o caráter transitório do governo de Michel Temer não credenciava o país a voltar à mesa dos grandes.

A morte do G8, como previa Amorim, não ocorreu. Quando finalmente Bolsonaro assume, sua política externa tem como ambição convencer americanos e europeus a lidar com o Brasil como um aliado Ocidental e com projetos econômicos liberais. Mas, pelo menos por enquanto, o presidente brasileiro continua fora dos debates.

Em 2022, sua última chance dependerá de um convite da Alemanha, país que presidirá o G7 no próximo ano.

Fonte: UOL

Ciro alerta militares de que Bolsonaro é ‘traidor das Forças Armadas’

Em novo passo de seu projeto presidencial, Ciro Gomes (PDT-CE) buscará afastar os militares de Jair Bolsonaro ao tentar colar nele a pecha de traidor das Forças Armadas. Ele publicou vídeo sobre o tema nesta segunda-feira (07).

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Felipe Neto exalta Ciro Gomes após vídeo contra Bolsonaro: “Perfeito”

Centrais Sindicais convocam ato por auxílio emergencial de R$ 600

As centrais sindicais convocaram uma mobilização para o dia 18 deste mês com pautas em defesa dos trabalhadores, entre elas o auxílio emergencial de R$ 600.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: ‘Embaixador’ de Bolsonaro, Crivella está com o passaporte apreendido pela PF

G7 e OCDE propõem ‘imposto global’ sobre lucro de grandes empresas

Na opinião do secretário-geral da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), Mathias Cormann, uma alíquota mínima de 15% para o imposto corporativo global seria um “passo muito significativo”, que daria aos países margem suficiente para competir.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Regina Duarte perde 100 mil seguidores: ‘Onde foi que eu errei?
LEIA: Ex-bailarina da TV descobre que namorado é ‘bolsominion’ e termina

STF retira sigilo de inquérito que investiga bolsonaristas

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, levantou o sigilo dos autos do inquérito dos atos antidemocráticos, aberto após manifestações defendendo a volta da ditadura militar, intervenção das Forças Armadas e atacando instituições democráticas no ano passado.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Gastos de Bolsonaro na pandemia: 90% em viagens com aglomerações
LEIA: PF indicia líder do governo Bolsonaro por propina de R$ 10 milhões
LEIA: ‘Não há crise; Bolsonaro obedece ao Partido Militar’, diz coronel

Intubado no RJ, pastor R.R. Soares ensinava oração para ‘expulsar’ covid

R. Soares, pastor fundador da Igreja Internacional da Graça de Deus, foi intubado neste sábado (5) devido a complicações no quadro de Covid-19, segundo informações do site Metrópoles. Ele está internado desde sexta-feira (4) no Hospital CopaStar, em Copacabana, no Rio.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: PF diz que ‘gabinete do ódio’ atua no governo Bolsonaro

Veja mais notícias no BRI.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.338 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *