Opinião: Bolsonaro zomba dos pobres e dos insatisfeitos

Jair Bolsonaro resolveu debochar das cobranças pela prorrogação do auxílio emergencial. Com o país à beira de mais um ciclo mortífero, o presidente disse que não tem culpa pela “situação difícil em que se encontra a população”, uma vez que não é o responsável pelas medidas de restrição implantadas até aqui.

“Tem gente criticando, ainda falando que quer mais. Como é endividamento por parte do governo, quem quer mais é só ir no banco e fazer empréstimo”, ironizou.

O presidente achatou a curva de queda de sua popularidade no ano passado graças aos bilhões do auxílio emergencial. Agora, ele mostra mais uma vez que o governo não sabe como gerenciar o redemoinho econômico provocado pela pandemia e, para piorar, ainda dá de ombros a quem depende de ajuda para sobreviver durante a crise.

Uma das especialidades de Bolsonaro é zombar dos brasileiros que não o idolatram. Depois que milhares de pessoas protestaram contra o governo, o presidente afirmou que as ruas ficaram vazias porque “faltou erva”. Meses atrás, quando o número de famílias enlutadas disparava na pandemia, ele disse que aquele sofrimento era “frescura”.

STF manda Bolsonaro explicar Copa América no Brasil

Bolsonaro desfila de salto alto no lamaçal do governo. O presidente faz pouco caso de críticos, ridiculariza antigos apoiadores e afasta parte considerável da população por acreditar que sua base fiel será suficiente para mantê-lo no poder. Ele quer segurar seus 25% de apoio, chegar ao segundo turno e ativar o antipetismo para atrair outros eleitores.

A artimanha vale também para amarrar aqueles que acham que Bolsonaro não é golpista o suficiente. Na semana passada, quando uma eleitora disse que ele deveria acionar as Forças Armadas contra os governadores e prefeitos, o presidente retrucou: “Quem não está contente comigo tem o Lula em 22”.

Retomada? PIB cresce 1,2% e atinge nível pré-pandemia

O presidente aposta nesse fantasma enquanto faz troça dos pobres, dos mortos e dos insatisfeitos em geral. O problema é que esses grupos estão cada vez maiores.​

Por Bruno Boghossian, jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA).

Fonte: Folha de S. Paulo

Este texto é opinativo e não reflete, necessariamente, a opinião do site Brasil Independente.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

63 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *