Bolsonaro zera verba do ‘Minha Casa Minha Vida’ e país pode perder 500 mil empregos

No texto, Bolsonaro cortou verba de R$ 1,5 bilhão nas despesas voltadas ao Minha Casa Minha Vida; presidente de associação do setor classifica decisão como ‘loucura’

José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção / Foto: Guilherme Kardel/Cbic
O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), José Carlos Martins, classificou de “loucura” o corte total do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) nas verbas para a continuidade das obras do programa Minha Casa Minha Vida e disse que quem ordenou o veto “não tem noção do que está fazendo”.

Segundo ele, o veto coloca em risco 250 mil empregos diretos no setor da construção, uma vez que 250 mil unidades habitacionais estão com obras em andamento, e a estimativa é que cada uma gera um emprego direto e 2,5 indiretos.

“As empresas já estão ferradas, com preço fixo (recebido pela obra), aumento absurdo de insumos. Tem dúvida do que irão fazer?”, questionou.

Como revelou o Estadão/Broadcast mais cedo, o veto do presidente Jair Bolsonaro ao Orçamento de 2021 deixou praticamente zerada a verba para dar continuidade às obras da faixa 1 do Minha Casa, Minha Vida, rebatizado pelo governo de Casa Verde e Amarela.

Houve um corte de R$ 1,5 bilhão nas despesas que estavam reservadas ao Fundo de Arrendamento Residencial (FAR), que banca as obras do faixa 1 do programa habitacional, voltada às famílias de baixa renda. Desse valor, R$ 1,37 bilhão era do Orçamento do próprio Executivo, e o restante de emendas parlamentares.

“Acho simplesmente uma loucura, vai paralisar obras, demitir pessoas, criar um problema seriíssimo que, para retomar, custará muito mais caro. Quem cortou não tem noção do que está fazendo. Inacreditável”, afirmou Martins.

Fonte: Estadão

Desaprovação de Bolsonaro dispara de 37% para 54%

Pesquisa Exame/Ideia, divulgada nesta sexta-feira (23), aponta que a desaprovação popular ao governo Jair Bolsonaro chegou ao pior patamar desde que ele assumiu o cargo, em janeiro de 2019. Ao todo, 54% dos entrevistados desaprovam a maneira como ele trabalha. O índice era de 37% em janeiro de 2021.

Leia a matéria completa aqui.

Ciro Gomes convoca militância no Dia Mundial do Livro e critica Bolsonaro

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) usou o Dia Mundial do Livro, celebrado nesta sexta-feira (23), para estimular a leitura e convocar a militância para promover o livro ‘Projeto Nacional: O Dever da Esperança’, do próprio Ciro, lançado em 2020 e que figura entre os mais vendidos do país.

Leia a matéria completa aqui.

Bolsonaro debocha do Instituto Butantan: ‘vacina mandrake’

O presidente Jair Bolsonaro chamou de “mandrake” a Butanvac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo Instituto Butantan, durante transmissão ao vivo nas redes sociais nesta quinta-feira (22). O chefe do Palácio do Planalto estava ao lado do ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que dava informações sobre o andamento de uma outra vacina apoiada pelo governo federal.

Leia a matéria completa aqui.

Vídeo: Sikêra pede ‘resposta enérgica’ e Bolsonaro ameaça usar Exército

Durante a entrevista com Jair Bolsonaro nesta sexta-feira (23), o apresentador Sikêra Jr. questionou se não está na hora do presidente dar uma resposta mais “enérgica” do presidente.

Leia a matéria completa aqui.

João Santana Ciro Gomes

João Santana será o marqueteiro de Ciro Gomes em 2022

O publicitário João Santana, coordenador do marketing vitorioso das campanhas de Lula (2006) e Dilma Roussef (2010 e 2014), no Brasil, trabalhando para o PT, será o marqueteiro da campanha presidencial de Ciro Gomes nas eleições de 2022. Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Compartilhe

Written by:

1.631 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.