Bolsonaro sanciona MP da Eletrobras e veta proteção a demitidos

Bolsonaro sanciona MP da Eletrobras – Matéria publicada pelo UOL aponta que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sancionou com vetos a MP (medida provisória) que abre caminho para a privatização da Eletrobras. A MP, que passa a ser lei, foi publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União.

A privatização da Eletrobras foi aprovada pela Câmara dos Deputados em 21 de junho e representa uma vitória da agenda liberal do ministro da Economia, Paulo Guedes. Entretanto, parlamentares da oposição afirmaram que vão recorrer a Justiça para tentar barrar a venda de ações da empresa.

A privatização da Eletrobras ocorre em um momento que o Brasil enfrenta crise hídrica e o temor de um racionamento de energia elétrica. No fim de junho, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, pediu o “uso consciente” de água e luz para evitar uma piora da situação.

Entre os vetos —14, no total—, Bolsonaro retirou do texto trecho que tratava da compra de ações com desconto por funcionários da Eletrobras e suas subsidiárias.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Carro ‘fecha’ rua e assusta comitiva de Ciro Gomes na Mangueira, no RJ
LEIA: Mensagens de PM apontam participação de Bolsonaro no escândalo Covaxin
LEIA: Mensagens apontam atuação de Michelle Bolsonaro no caso Covaxin, diz site
LEIA: Vídeo: Ciro Gomes se lança como 3ª via para 2022; ‘Nem Lula, nem Bolsonaro

Ao justificar o veto, o presidente da República disse que o trecho contrariava o interesse público, pois poderia “causar distorção no processo de precificação” das novas ações a serem emitidas pela Eletrobras e gerar redução dos recursos a serem captados.

Também foi vetada a obrigação do governo de reaproveitar, pelo período mínimo de um ano, empregados dessas empresas que forem demitidos sem justa causa após a privatização. Segundo Bolsonaro, esse dispositivo “viola o princípio do concurso público”.

O texto sancionado ainda vetou trecho que proibia, pelo prazo de dez anos, a extinção, incorporação, fusão ou mudança de domicílio estadual das subsidiárias Chesf (PE), Furnas (RJ), Eletronorte (DF) e CGT Eletrosul (SC).

Na justificativa, o presidente afirmou que essa obrigação limitaria a gestão das subsidiárias pela nova empresa e retirava a flexibilidade necessária para eventuais reestruturações societárias com o objetivo de dar maior eficiência à nova Eletrobras.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Rodrigo Pacheco irá disputar a presidência em 2022, diz jornalista
LEIA: Insegurança alimentar dispara no Brasil e atinge 50 milhões, diz estudo
LEIA: Covaxin: PF abre inquérito para investigar Bolsonaro por prevaricação

Além disso, “geraria dificuldades no processo de desestatização e provocaria efeitos negativos no processo de fixação do valor das novas ações a serem emitidas”, afirmou Bolsonaro. Outro artigo vetado foi o que definia que a diretoria do ONS (Organizador Nacional do Sistema Elétrico) deveria ser aprovada pelo Senado.

A nova lei permitirá que a privatização ocorra por aumento do capital social, com renúncia do direito de subscrição de ações pela União, que assim terá diluída sua fatia de 61% na empresa.

A previsão do ministério é de finalização da operação em janeiro de 2022. Até lá, deverão ser realizadas as definições de premissas fundamentais à modelagem da privatização pelo CNPE (Conselho Nacional de Política Energética).

Governo diz que conta de luz vai baixar, mas distorce dado

Após a Câmara aprovar a privatização da Eletrobras, o governo federal estimou que a conta de luz dos brasileiros poderá ter uma redução média de 5% a 7% a partir de ano que vem.

Porém, foi incluído nesse cálculo números da hidrelétrica Itaipu Binacional que não têm relação com a venda da estatal. Os valores da usina chegam a responder por mais da metade da possível redução na conta de luz que o Ministério de Minas e Energia atribui à privatização.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Além de ‘vexame’, Copa América deixou nova variante da covid no Brasil
ASSISTA: Bolsonarista é expulso de igreja após discurso de ódio
LEIA: PT não aceita autocrítica sobre corrupção de fundador do partido
LEIA: Prefeito de Recife, João Campos defende que PSB apoie 3ª via
LEIA: Sarney encontra Bolsonaro e liderança do PT no mesmo dia, diz site

Do total de redução calculada pelo órgão, 3,6% se referem à quitação da dívida para a construção de Itaipu, prevista para ocorrer em 2023. O fim da dívida já estava no planejamento da própria usina, ou seja, aconteceria com ou sem a privatização da Eletrobras.

Por isso, de acordo com especialistas, esse número não deveria ter sido incluído na conta.

Bolsonaro despenca nas pesquisas e 51% dos brasileiros acha governo ‘péssimo’

O povo brasileiro não tem a melhor impressão de seu presidente. Ao contrário: para a maioria da população, Jair Bolsonaro é desonesto, falso, incompetente, despreparado, indeciso, autoritário, favorece os ricos e mostra pouca inteligência.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: 6 de cada 10 brasileiros rejeitam Bolsonaro para 2022, diz Datafolha

Entidades de advogados e magistrados repudiam ‘ameaça’ de militares

Associações de juristas, advogados, magistrados e também a Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) divulgaram uma nota conjunta em que repudiam os ataques ao Parlamento brasileiro por parte do Ministério da Defesa.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Ciro Gomes se consolida na 3ª via e quase dobra intenções de voto, diz pesquisa

Viúva de suposto assassino de Marielle fecha delação com MP

Segundo jornalista Guilherme Amado em Metrópoles, a viúva do capitão Adriano da Nóbrega, miliciano que era ligado a Flávio Bolsonaro e que foi assassinado na Bahia no ano passado, está perto de homologar uma delação premiada com o Ministério Público Federal no Rio de Janeiro e o Ministério Público do estado.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Reinaldo Azevedo dispara: “Nota dos militares é mentirosa e golpista”

Veja mais notícias no BRI.

Compartilhe

Written by:

1.690 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.