Bolsonaro ‘privatiza’ ministério de Paulo Guedes para o centrão

Bolsonaro ‘privatiza’ ministério de Paulo GuedesG1 – O presidente Jair Bolsonaro já articulou com sua área econômica a recriação do ministério do Trabalho e Previdência Social para acomodar aliados políticos no que chamou, nesta quarta-feira (20), de “pequena mudança ministerial” a ser anunciada na próxima semana.

O novo ministério representa um esvaziamento da pasta comandada por Paulo Guedes, que assumiu a área como um “superministro”. E Guedes, que já ameaçou deixar o governo no passado caso perdesse espaço, está desta vez na mesma página que o chefe: é hora de abarcar mais aliados, agora do Senado, no coração do governo.

Para isso, Guedes não se opôs entregar um de seus pedaços: a área que cuida das políticas e trabalho, emprego e previdência. Nos últimos dias, Guedes se reuniu diversas vezes com Onyx Lorenzoni, atual Secretário-Geral da Presidência e que deve deixar a área para assumir a nova pasta às vésperas da criação de um programa que pretende viabilizar mais vagas para jovens.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Escândalo: Exército vacinou agentes da Abin ‘furando’ fila
LEIA: Vice-presidente da Câmara quer abrir impeachment como interino
LEIA: Site ligado ao PT ameaça jovem no Twitter de processo com advogado de Lula
LEIA: Lula e Bolsonaro atacam a terceira via, diz site
LEIA: Ação do PDT pode barrar Reforma Administrativa e voto impresso

Guedes pediu a Bolsonaro e a Onyx para manterem o atual secretário especial da área, Bruno Bianco, como secretário-executivo da pasta.

A assessores próximos, o ministro da Economia tem afirmado que concorda com a decisão do presidente de abrir mais espaço no governo para aliados no Congresso e que já vinha defendendo o nome de um político para a Casa Civil.

A entrada de um nome da política na Casa Civil deslocaria o atual ministro Luiz Ramos para a Secretaria-Geral, ocupada por Onyx – que seria realocado na nova pasta do Trabalho.

OUTRAS NOTÍCIAS:

LEIA: Presidente da CPI, Omar Aziz debocha de Bolsonaro: ‘Forrest Gump’
LEIA: PSDB pode abrir mão de candidatura e Tasso quer aproximação com Ciro Gomes
LEIA: Vinicius Juberte: Sobre Cuba, Ciro Gomes e o PDT
LEIA: PT manda Boulos apoiar Haddad para não ‘dividir’ esquerda; PSOL resiste
ASSISTA: Ciro Gomes se posiciona sobre crise em Cuba: “Não temo debate”

Após sucesso no Ceará, 8 estados adotam ‘imposto da educação’

Os bons resultados do Ceará na educação têm levado diversos governos do país a replicar um ponto central da política do estado para a área.

Leia a matéria completa aqui.

Zambelli critica fundo eleitoral triplicado, mas votou sim para LDO

Após usar as redes sociais para criticar o aumento do Fundo Eleitoral —que passou de R$ 2 bilhões para R$ 5,7 bilhões— e dizer que a mudança era “inadmissível”, a deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP) votou “sim” para aprovar a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2022, com a previsão de um déficit de R$ 170,47 bilhões para os Orçamentos Fiscal e da Seguridade Social da União.

Leia a matéria completa aqui.

Gleisi Hoffmann propõe financiar torcidas organizadas e Gaviões repudia

A presidente nacional do PT e deputada federal Gleisi Hoffmann apresentou emenda ao Projeto de Lei 2.336, a chamada Lei do Mandante, para que torcidas organizadas tenham direito na divisão de verba dos jogos de futebol no Brasil. A proposta gerou polêmica e foi muito criticada nas redes sociais.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Compartilhe

Written by:

1.631 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.