OCDE defende taxar herança: ‘imposto certo no momento certo’

OCDE defende taxar herança – A tributação sobre herança é “o imposto certo na hora certa” para o período pós-pandemia, afirmou nesta segunda-feira (10) David Bradbury, chefe de políticas tributárias e estatística da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico).

A entidade divulgou nesta terça (11) um relatório em que analisa esse tributo em 24 de seus 37 membros e faz recomendação para melhorar seus desenhos e elevar sua arrecadação.

É “o imposto certo”, segundo a OCDE, porque trabalhos empíricos mostram que ele tem custos menores de implantação e provoca menos distorções que os tributos sobre fortunas —que já foi abandonado na maioria dos países que o implantaram, mas voltou à discussão com a necessidade de financiar a retomada pós-Covid-19.

Além disso, se for calibrado para reduzir a quantidade de riqueza que é herdada pelos que estão no topo da pirâmide, age sobre um dos principais motores da desigualdade de renda e de oportunidades, afirmou o diretor do Centro de Políticas Tributárias da OCDE, Pascal Saint-Amans.

“Os números mostram que são os mais ricos os que mais se beneficiam de patrimônio herdado e que a concentração de riqueza tem crescido nas mãos do 1% e dos 10% mais ricos, criando um círculo vicioso”, afirmou.

E viria “no momento certo” não só porque governos vão precisar de mais recursos, mas também porque a desigualdade cresceu por causa da pandemia —mais pobres, mulheres e não brancos foram os mais afetados pela perda de emprego e de renda.

O relatório divulgado nesta terça mostra que há espaço para elevar sua arrecadação, diz Saint-Amans.

“De cada US$ 100 que países como EUA e Alemanha arrecadam, só 50 centavos vêm desse tipo de tributo”, acrescentou Bradbury. Dos 24 membros analisados, apenas a Coreia do Sul recolhe mais que 1,5% das receitas com ele.

Isso ocorre porque, embora as alíquotas nominais do tributo cheguem a 40% nos EUA e 55% no Japão, há tantas deduções e isenções que a base tributária se reduz enormemente.

Nos EUA, por exemplo, legados a filhos de até US$ 11,6 milhões não pagam o tributo, o que faz com que a alíquota efetiva seja de no máximo 13,62% no país e a base tributária para esse tipo de imposto corresponda a apenas 0,2% do patrimônio.

Embora considerem tributar heranças uma política socialmente justa, os especialistas da OCDE dizem que a economia política de sua implantação é difícil, porque ele é um dos impostos mais impopulares, principalmente entre a classe média.

“Existe um mito de que os ricos conseguem escapar do imposto e quem paga a conta é a classe média”, afirma o diretor.

A economista Sarah Perret ressalva que já há trabalhos empíricos mostrando que a fuga de recursos é menos viável nesse tributo que no cobrado sobre fortunas. “O principal é que os modelos sejam bem desenhados, levando em conta circunstâncias específicas de cada país”, afirma.

Segundo a OCDE, a tributação de heranças tem que ser complementada por impostos sobre doações, para evitar que os contribuintes escapem da taxação transferindo riqueza durante sua vida. Ainda assim, fica uma brecha quando o sistema permite aos doadores transferir uma certa quantidade de riqueza a cada ano.

“Famílias ricas, que possuem uma maior porção da riqueza em ativos líquidos e têm mais dinheiro do que precisam são as que mais se aproveitam dessa oportunidade”, afirma Saint-Amans.

Fonte: Folha de S. Paulo

Ciro Gomes defende maior taxação no Brasil

A alíquota do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação varia no Brasil. Por ser de competência estadual, seu valor depende do estado em questão. Em média, ela pode variar entre 2% e 8% sobre o bem transmitido.

O ex-ministro e presidenciável Ciro Gomes (PDT) frequentemente defende o aumento da alíquota sobre heranças para equilibrar as contas do país, além da cobrança de um imposto sobre grandes lucros, taxa que só o Brasil e a Estônia não cobram.

A baixa tributação sobre heranças no Brasil concentra e eleva a renda dos 1% mais ricos, que acumulam 28% do PIB com seus rendimentos, porcentagem muito superior a de todos os outros países.

Taxa baixa sobre heranças no Brasil eleva a renda dos 1% mais ricos / Foto: Reprodução

Vídeo: Ciro Gomes fala sobre rombo fiscal do Brasil com dívida galopante

O presidenciável Ciro Gomes (PDT) publicou um vídeo em suas redes sociais na manhã desta quarta-feira (12) onde trata do rombo fiscal do Brasil, que apresenta uma crescimento de dívida em ritmo galopante.

Leia a matéria completa aqui.

Aceno à Bolsonaro gera debandada no Partido da Mulher Brasileira rumo ao PDT

A tentativa de atrair Jair Bolsonaro por parte do Partido da Mulher Brasileira, que passou a se chamar Brasil 35 em abril, gerou debandada na direção paulista da sigla rumo ao PDT. Paulo Roberto, ex-presidente da Executiva municipal, calcula que cerca de 2.000 pessoas poderão se filiar ao Partido Democrático Trabalhista de São Paulo.

Leia a matéria completa aqui.

Segurança de bolsonarista que brigou no Pânico estava armado no palco

O segurança do empresário bolsonarista Tomé Abduch, que agrediu André Marinho, integrante do Pânico, durante o programa na Jovem Pan, estava armado no palco durante a briga.

Leia a matéria completa aqui.

Após processar Ciro, ‘império’ de Eunício de Oliveira no Ceará desmoronou

Após processar Ciro Gomes (PDT), em 2014, por ser chamado de corrupto pelo hoje presidenciável pedetista, o ‘império’ de Eunício de Oliveira (MDB-CE) no Ceará desmoronou, com derrotas políticas e eleitorais em sequência, nos últimos sete anos.

Leia a matéria completa aqui.

PF pede ao STF para investigar Toffoli por suposta venda de decisões, diz jornal

A Polícia Federal (PF) encaminhou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de abertura de inquérito para investigar supostos repasses ilegais ao ministro Dias Toffoli.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.383 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *