Miranda diz à CPI que Bolsonaro citou Ricardo Barros ao ouvir denúncia

Bolsonaro citou Ricardo Barros – Matéria assinada pelos jornalistas Marcela Mattos e Gustavo Garcia, do G1, aponta que o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) afirmou nesta sexta-feira à CPI da Covid que o presidente Jair Bolsonaro citou nominalmente o líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), ao ouvir denúncias de irregularidades na compra da vacina Covaxin.

A conversa entre Bolsonaro e Miranda aconteceu em 20 de março no Palácio da Alvorada, de acordo com o parlamentar. Ao narrar o encontro à CPI, inicialmente, o deputado omitiu o nome de Ricardo Barros.

ASSISTA: Vídeo: Paulo Guedes diz que governo apostou em ‘imunidade de rebanho’
LEIA: Alckmin, Datena e Boulos lideram pesquisa em SP; Haddad amarga 9º
ASSISTA: Vídeo: ‘Alertei Bolsonaro pessoalmente’, diz Luis Miranda sobre Covaxin
LEIA: Servidor do Ministério da Saúde depõe na CPI: “Meu partido é o SUS”

“Ele diz: ‘isso é coisa do fulano. [Palavrão], mais uma vez’. E dá um tapa na mesa”, relatou Miranda em outro momento.

Durante horas, senadores pressionaram o parlamentar a dizer o nome citado por Bolsonaro – Luis Miranda repetia que “não se lembrava”. Pouco antes das 22h, questionado pela senadora Simone Tebet (MDB-MS), o deputado confirmou o nome de Ricardo Barros.

“Eu sei o que vai acontecer comigo. A senhora [Simone Tebet] também sabe que é o Ricardo Barros que o presidente falou”, afirmou Luis Miranda.

Simone Tebet insistiu: “O senhor confirma?”

“Foi o Ricardo Barros, que o presidente falou. Foi o Ricardo Barros”, repetiu Miranda.

LEIA: Covaxin: Flávio Bolsonaro abriu portas do BNDES para dono da Precisa, diz Veja
LEIA: Ciro Gomes ‘explode’ em pesquisa e chega a mais de 15%, diz Exame/Ideia
LEIA: Daniel Silveira pulou muro para tentar fugir de prisão, diz PF
LEIA: Luis Miranda diz que vai ‘derrubar a República’ na CPI da Covid

Em uma rede social, no fim da noite, Ricardo Barros disse que não participou de negociações sobre a compra da Covaxin e que não tem relação com “esses fatos”.

“Não participei de nenhuma negociação em relação à compra das vacinas Covaxin. ‘Não sou esse parlamentar citado’, A investigação provará isso. Também não é verdade que eu tenha indicado a servidora Regina Célia como informou o senador Randolfe. Não tenho relação com esse fatos”, postou Barros.

A servidora Regina Célia Silveira Oliveira foi citada por Luis Ricardo Miranda – irmão do deputado Luis Miranda – como a pessoa que deu aval ao avanço da papelada da Covaxin enquanto a área de importação apontava problemas.

Segundo o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Regina Célia assumiu o cargo quando Ricardo Barros era ministro da Saúde. O senador defendeu que a servidora seja convocada pela comissão.

Os irmãos Miranda foram convidados a depor à CPI após terem denunciado irregularidades no contrato da vacina indiana Covaxin e “pressão atípica” para a liberação do imunizante.

Luis Ricardo é chefe de importação do Departamento de Logística em Saúde do Ministério da Saúde. Ele já relatou o episódio ao Ministério Público Federal, que vê indícios de crime no processo.

LEIA: Patriota não quer Bolsonaro e afasta presidente da sigla por 90 dias
LEIA: Luis Miranda confronta Bolsonaro: “Fala tanto em Deus, essa é a recompensa?”
LEIA: Witzel vai revelar crime de Bolsonaro à CPI e pede “escolta policial”
LEIA: Miranda dispara contra Onyx: “Não me sinto coagido, vou botar ele na cadeia”

Série de perguntas

Enquanto Luis Miranda se negava a confirmar a identidade do deputado citado por Bolsonaro, senadores já citavam o nome de Ricardo Barros – líder do governo na Câmara e ex-ministro da Saúde.

Presidente da CPI, o senador Omar Aziz (PSD-AM) perguntou se o deputado citado por Bolsonaro compunha a base do governo. Miranda disse “ter certeza que sim”.

“Eu estou perguntando aqui se ele faz parte da base ou continua na base, porque ele [o presidente] gosta de fazer isso em live, acusar as pessoas de graça, chama todo mundo de corrupto e continua na base. Vossa Excelência, pelo Brasil, tem obrigação de dizer quem é esse deputado, que continua na base e continua usurpando”, disse Aziz.

O senador Rogério Carvalho (PT-SE), “refrescando a memória” de Luis Miranda, perguntou se ele poderia confirmar se o nome citado por Bolsonaro era o de Ricardo Barros. “Ele foi ministro e exerce influência dentro do Ministério da Saúde”, disse Carvalho.

O deputado, porém, voltou a dizer que não sabia.

“Ter dúvidas, suspeitas, achar aqui nesse Parlamento é um risco. Queria ter essa certeza hoje, agora”, afirmou. “Se eu tivesse como lhe precisar esse cara aqui que está por trás, que deixou de salvar 20 milhões de vidas porque apostou em outra vacina… Me perdoe não ter essa resposta agora, mas vou continuar fazendo o que é certo”, prosseguiu.

Mais incisivo, o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) citou nominalmente Ricardo Barros e afirmou a Luis Miranda que, sem confirmar o nome, o esforço do deputado para “reconstruir uma imagem, de apresentar novamente para os brasileiros essa veia combativa, combate ao corrupção” seria em vão.

“Eu sou obrigado a dizer para vossa Excelência que esse esforço está sendo em vão. Está sendo em vão porque o senhor não está tendo a coragem de falar o nome Ricardo Barros. Claramente, está lhe faltando coragem para falar o nome do deputado federal Ricardo Barros, que é a figura que é referida em todos os corredores, com envolvimento nesses casos.”

O nome de Ricardo Barros chegou a ser citado indiretamente pelo ministro Onyx Lorenzoni no pronunciamento que fez no Palácio do Planalto, na quarta-feira (23), após as primeiras declarações públicas dos irmãos Miranda sobre o caso.

Na ocasião, Onyx defendeu “o líder do governo” da acusação de que uma emenda sugerida por ele, e incluída em uma medida provisória aprovada na Câmara, teria facilitado a importação da Covaxin.

Essa emenda incluiu a autoridade sanitária da Índia – Central Drugs Standard Control Organization (CDSCO) – na lista de entidades que serviriam de parâmetro para que uma nova vacina fosse usada no Brasil, mesmo sem aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

O deputado também apresentou um projeto de decreto legislativo para derrubar a exigência da realização da fase 3 de ensaios clínicos no país como condição para autorização emergencial de vacinas – o que também ajudaria o imunizante indiano.

“Dentre as mentiras assacadas hoje, foi uma contra o líder do governo, na votação da MP que se transformou na lei 14.124. É verdadeiro o fato que o líder do governo apresentou uma emenda ao Artigo 16. Da mesma forma que o senhor Renildo Calheiros apresentou a mesma emenda, do PCdoB. A mesma emenda foi apresentada também pelo senhor Orlando Silva, do PCdoB de São Paulo. Então, a insinuação fica no campo daquilo que abri essa apresentação, da pura maldade”, disse Onyx.

RECEBA NO SEU CELULAR AS NOTÍCIAS MAIS IMPORTANTES DO DIA

Telegram: AQUI
Whatsapp: AQUI

SE VOCÊ APOIA O IMPEAHCMENT DE JAIR BOLSONARO, ENTRE NESSES GRUPOS:

Facebook: AQUI
WhatsApp: AQUI
Telegram: AQUI
Instagram: AQUI

LEIA: Ricardo Salles pede demissão após virar alvo da PF

LEIA: Amanda Salgado: “Falsos patriotas…o verde e amarelo é nosso!”
LEIA: Pazuello lidera em potenciais falsos testemunhos; CPI aponta 38
LEIA: Tasso pode apoiar Ciro: ‘Candidato de centro não tem que ser do PSDB’

Governo quer flexibilizar validade de alimentos no Brasil

Em um aceno ao setor de supermercados, o governo vai criar um grupo de trabalho para avaliar proposta de flexibilização da regra que trata da validade de alimentos no Brasil. A sugestão é adotar modelo que permita vendas de baixo custo e doações a partir de determinado prazo.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Wilson Witzel diz que é perseguido por investigar morte de Marielle
LEIA: Witzel diz que revelará ‘fato gravíssimo’ contra Bolsonaro em reunião sigilosa

Witzel: Milícia atua na máfia da saúde no RJ; ‘Corro risco de vida’

Em depoimento à CPI da Covid nesta quarta-feira (16) no Senado, o ex-governador do Estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, afirmou que ele e sua família correm risco de vida e que seu impeachment foi financiado por uma máfia na área de saúde.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Casal acusa jovem negro de roubo, é denunciado por racismo e demitido
LEIA: 19J: Manifesto da JS-SP pede povo unido por vacina, trabalho e fora Bolsonaro

Sociólogo diz que desistência de Huck ‘beneficia centro-esquerda’

Em entrevista publicada no Estadão e assinada pelo jornalista Pedro Venceslau, o especialista em pesquisas eleitorais, sociólogo Antonio Lavareda, presidente do conselho do Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), disse que os partidos que buscam uma “terceira via” nas eleições presidenciais de 2022, como alternativa à polarização entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), precisam encontrar um nome que atinja os dois dígitos nas pesquisas de intenção de voto até o início do ano que vem.

Leia a matéria completa aqui.

LEIA: Kalil não descarta ser vice de Ciro Gomes: “É um ótimo nome”
LEIA: Flávio Dino: ‘Não excluo Ciro Gomes e PDT de qualquer debate’

LEIA: Luciano Huck desiste da presidência em 22 e terá domingo na Globo

Veja mais notícias no BRI.

Compartilhe

Written by:

1.631 Posts

Siga nossas redes! https://linktr.ee/brasilindependente
View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.