General da ativa, Pazuello vai à ato com Bolsonaro e abre nova crise militar

Pazuello cria nova crise militar – A presença do general da ativa e ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello em uma manifestação político-partidária no Rio criou um constrangimento para o Comando do Exército e abriu uma nova crise militar no governo de Jair Bolsonaro. Isso porque Pazuello, como general de divisão da ativa, está proibido pelo Estatuto dos Militares e pelo Regulamento Disciplinar do Exército de participar de manifestações coletivas de caráter político.

O regulamento lista transgressões disciplinares e entre elas está: “Manifestar-se, publicamente, o militar da ativa, sem que esteja autorizado, a respeito de assuntos de natureza político-partidária”. Também são vedadas manifestações coletivas de caráter político aos militares da ativa. Não há notícia de que o Comando do Exército tenha autorizado o general a participar da manifestação.

LEIA: Thiago Manga: “Eu tenho asco de Jair Bolsonaro, não de quem votou nele!”

Mesmo ciente das restrições legais, Pazuello resolveu exibir-se ao lado do presidente, um militar reformado do Exército com quem serviu nos anos 1980 na Brigada Paraquedista no Rio.

O Comando do Exército deve analisar o caso nesta segunda-feira (24).

Na quarta-feira (19) o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, disse à Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara que os militares da reserva podem participar de manifestações, ao contrário dos que estão na ativa. “Os da ativa não podem e serão devidamente punidos se aparecerem em manifestações políticas”.

LEIA: Estadão pede 3ª via em editorial: “Alternativa viável a Lula e Bolsonaro”

O temor no exército é que, se Pazuello ficar impune, os comandantes de unidades percam a autoridade para punir, eventualmente, sargentos ou tenentes que resolvam seguir o exemplo do general, inclusive os que resolverem participar de atos políticos de partidos de oposição.

O PSDB publicou, em seu perfil no Twitter, uma nota criticando a participação de Pazuello no ato: “Um General de Divisão do Exército Brasileiro participando de um evento de natureza política não condiz e não respeita a instituição da qual faz parte”, diz parte do texto.

O presidente do Cidadania, Roberto Freire, também pediu a punição de Pazuello. Para ele, a participação do ex-ministro no ato foi, ao mesmo tempo, um atentado contra a saúde pública e “um ato político de extrema-direita”. “O Alto Comando do Exército não pode deixar passar tal gesto de quebra de hierarquia e indisciplina”, disse Freire, em nota. Segundo ele, as Forças Armadas devem deixar claro que não serão transformadas em instrumento político.

LEIA: PT tira o pé e enfraquece impeachment de Bolsonaro, diz colunista

O presidente Jair Bolsonaro participou de um passeio com motociclistas no Rio na manhã deste domingo, 23. No final do ato e com a máscara no queixo, Pazuello passou no meio da multidão de apoiadores e subiu no carro de som onde estava o presidente.

Fonte: Estadão

Mário Frias dispara contra Lei Paulo Gustavo: “Vocês são doentios”

O secretário especial de Cultura, Mário Frias, usou seu Twitter para pedir que internautas votem contra a Lei Paulo Gustavo, que morreu vítima da Covid-19. O projeto de lei visa garantir ajuda financeira ao setor da cultura.

Leia a matéria completa aqui.

Centrais sindicais vão à Brasília entregar propostas para Lira e Pacheco

Presidentes das principais centrais sindicais do país vão a Brasília na próxima quarta (26), em ato inédito, entregar pessoalmente aos presidentes da Câmara e do Senado, Arthur Lira (PP-AL) e Rodrigo Pacheco (DEM-MG), uma agenda legislativa com propostas que elaboraram em conjunto.

Leia a matéria completa aqui.

Governo Doria pede investigação de médicos que deram laudos para vacinação

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo vai enviar nesta sexta-feira (21) ao Conselho Regional de Medicina de São Paulo (Cremesp) uma lista dos 100 profissionais médicos que mais emitiram laudos, exames e receitas médicas para a vacinação de pessoas com comorbidades.

Leia a matéria completa aqui.

Conheça o brasileiro pioneiro na luta contra segregação racial nos EUA

Era um dia frio e chuvoso de novembro de 1832 quando o imigrante brasileiro Emiliano Mundrucu entrou no barco a vapor Telegraph com sua mulher Harriet e sua filha Emiliana, de apenas um ano. Segundo registros históricos, a família acompanhava o brasileiro em uma viagem a trabalho da costa de Massachusetts, no nordeste dos Estados Unidos, até a ilha de Nantucket.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.338 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *