EUA vai executar presos com mesmo gás usado por nazistas

Mesmo gás usado por nazistas – O estado do Arizona , nos Estados Unidos, está armazenando gases letais antes da retomada das execuções planejadas dos presos que estão no corredor da morte . Um dos gases é o Zyklon B , usado pelos nazistas para matar quase um milhão de judeus em Auschwitz .

De acordo com documentos obtidos pelo The Guardian, o Departamento de Correções do Arizona gastou mais de US $ 2.000 (cerca de R$10.500) em ingredientes para cianeto de hidrogênio , gás mortal utilizado durante o Holocausto .

LEIA: Governador João Doria veta Copa América em São Paulo, diz jornal
LEIA: STF manda Bolsonaro explicar Copa América no Brasil

De acordo com o Museu Estadual de Auschwitz-Birkenau, 1,1 milhão de pessoas morreram no campo de concentração durante a Segunda Guerra Mundial , incluindo 960.000 judeus.

O Arizona suspendeu as execuções em 2014 depois do fiasco da execução de Joseph Wood, que levou quase duas horas para morrer por causa de um erro com sua dose de injeção letal.

A última pessoa a ser executada no Arizona com gás foi o alemão Walter LaGrand em 1999. Ele teve uma morte de ‘asfixia e engasgo agonizante’ que durou 18 minutos a partir do momento em que o gás entrou na câmara, de acordo com um relato de testemunha ocular publicado no Tucson Citizen.

ASSISTA: Vídeo: Senador ‘janta’ médica bolsonarista na CPI da Covid: “Nem estudou!”
ASSISTA: Vídeo: Luis Roberto diz que Copa América no Brasil é “tapa na cara dos brasileiros!”

Nos últimos anos, o estado tem buscado incessantemente novos métodos para executar seus 115 presos no corredor da morte, incluindo o uso de drogas experimentais.

Documentos recém-divulgados mostram que estão sendo comprados ingredientes para criar o coquetel mortal de drogas necessário para realizar a execução por envenenamento por gás .

Segundo o The Guardian, além da compra de ingredientes do Zyklon B, também foi comprado um tijolo sólido de cianeto de potássio em dezembro. Cerca de US $ 1,5 milhão teria sido gasto em um lote de pentobarbital , que seria usado para sedar presidiários durante a execução.

O Arizona também está conduzindo testes em sua câmara de gás desativada na prisão estadual de Florence. A série de testes “surpreendentemente primitiva” incluiu segurar a chama de uma vela em janelas e portas seladas para verificar se a câmara estava hermética.

LEIA: Campeão mundial de F1, Lewis Hamilton apoia protestos no Brasil
LEIA: Morte suspeita de homem após ato contra Bolsonaro choca amigos em SP

A câmara foi construída em 1949 e está fora de uso há 22 anos, desde a execução de LaGrand.

Primeiros da fila

O Arizona já selecionou dois presos como prováveis ​​candidatos para serem os primeiros entre uma população atual de 115 pessoas no corredor da morte.

Frank Atwood, 65, foi condenado à morte em 1984 pelo assassinato de uma menina de oito anos, Vicki Lynne Hoskinson, em 1984.

E Clarence Dixon, 65, condenado pelo assassinato em 1978 de uma estudante universitária, Deana Bowdoin.

LEIA: Mandetta: Nise Yamaguchi era ‘urubu’ que queria alterar bula da cloroquina
LEIA: PDT convida senador Fabiano Contarato e frustra PT e Lula

O assassino condenado Wood – que matou a tiros sua ex-namorada e seu pai em 1989 – foi condenado à morte na prisão estadual de Florença após perder um recurso de última hora.

‘Eu acredito na pena de morte para certos crimes. Mas essa não é uma forma aceitável de fazê-lo. E as pessoas que foram responsáveis ​​devem ser responsabilizadas ‘, disse McCain após a agonizante morte de Wood em 2014.

“A injeção letal precisa ser uma injeção realmente letal e não a situação complicada que acabou de prevalecer. Isso é tortura. ‘

Fonte: Último Segundo

Vídeo: Médico bolsonarista preso no Egito assediou mulher na Austrália

Depois de fazerem repercutir o episódio de assédio do médico Victor Sorrentino, levando-o à prisão no Egito, internautas resgataram nas redes sociais um outro caso de assédio provocado pelo bolsonarista, desta vez na Austrália, em 2014.

Leia a matéria completa aqui.

PGR pede ao STF para investigar Ricardo Salles, ministro de Bolsonaro

A Procuradoria Geral da República (PGR) enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) um pedido de abertura de inquérito para investigar o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles. A relatora do caso será a ministra Cármen Lúcia.

Leia a matéria completa aqui.

Deputado vai ao STF para impedir Copa América no Brasil

Após a Conmebol anunciar o Brasil como novo país-sede da Copa América, na manhã desta segunda-feira, autoridades brasileiras já se mobilizam para impedir o evento que está marcado para começar dia 13 de junho.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.389 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *