Crise climática e a fome que avança no Sul global

Na One Earth, com tradução no EcoDebate

Sabe-se que as mudanças climáticas afetam negativamente a agricultura e a pecuária, mas há pouco conhecimento científico sobre quais regiões do planeta seriam afetadas ou quais seriam os maiores riscos. Uma nova pesquisa liderada pela Aalto University avalia como a produção global de alimentos será afetada se as emissões de gases de efeito estufa não forem cortadas. O estudo foi publicado na prestigiosa revista One Earth na sexta-feira, 14 de maio.

‘Nossa pesquisa mostra que o crescimento rápido e fora de controle das emissões de gases de efeito estufa pode, até o final do século, fazer com que mais de um terço da atual produção global de alimentos caia em condições nas quais nenhum alimento é produzido hoje – isto é , fora de um espaço climático seguro ‘, explica Matti Kummu , professor de questões globais de água e alimentos na Aalto University.

De acordo com o estudo, esse cenário provavelmente ocorrerá se as emissões de dióxido de carbono continuarem crescendo nas taxas atuais. No estudo, os pesquisadores definem o conceito de espaço climático seguro como aquelas áreas onde atualmente ocorre 95% da produção agrícola, graças a uma combinação de três fatores climáticos, precipitação, temperatura e aridez.

“A boa notícia é que apenas uma fração da produção de alimentos enfrentaria condições ainda não vistas se reduzirmos coletivamente as emissões, de modo que o aquecimento seria limitado a 1,5 a 2 graus Celsius”, diz Kummu.

As mudanças nas chuvas e na aridez, bem como no aquecimento do clima, são especialmente ameaçadoras para a produção de alimentos no sul e sudeste da Ásia, bem como na região do Sahel na África. Essas também são áreas que não têm capacidade de se adaptar às mudanças nas condições.

“A produção de alimentos como a conhecemos se desenvolveu sob um clima bastante estável, durante um período de lento aquecimento que se seguiu à última era do gelo. O crescimento contínuo das emissões de gases de efeito estufa pode criar novas condições e a produção agrícola e pecuária simplesmente não terá tempo de se adaptar ‘, diz o doutorando Matias Heino , o outro autor principal da publicação.

Dois cenários futuros para as mudanças climáticas foram usados no estudo: um em que as emissões de dióxido de carbono são cortadas radicalmente, limitando o aquecimento global a 1,5-2 graus Celsius, e outro em que as emissões continuam crescendo de forma inalterada.

Os pesquisadores avaliaram como a mudança climática afetaria 27 das culturas alimentares mais importantes e sete diferentes rebanhos, levando em consideração as diferentes capacidades das sociedades de se adaptarem às mudanças. Os resultados mostram que as ameaças afetam países e continentes de maneiras diferentes; em 52 dos 177 países estudados, toda a produção de alimentos permaneceria no espaço climático seguro no futuro. Isso inclui a Finlândia e a maioria dos outros países europeus.

Países já vulneráveis como Benin, Camboja, Gana, Guiné-Bissau, Guiana e Suriname serão duramente atingidos se nenhuma mudança for feita; até 95 por cento da produção atual de alimentos ficaria fora do espaço climático seguro. De forma alarmante, essas nações também têm significativamente menos capacidade de se adaptar às mudanças provocadas pelas mudanças climáticas quando comparadas aos países ocidentais ricos. Ao todo, 20% da produção agrícola mundial e 18% da produção pecuária ameaçada estão localizadas em países com baixa resiliência para se adaptarem às mudanças.

Se as emissões de dióxido de carbono forem controladas, os pesquisadores estimam que a maior zona climática do mundo de hoje – a floresta boreal, que se estende pelo norte da América do Norte, Rússia e Europa – diminuiria dos atuais 18,0 para 14,8 milhões de quilômetros quadrados em 2100. Se não formos capazes de cortar as emissões, apenas cerca de 8 milhões de quilômetros quadrados da vasta floresta permaneceriam. A mudança seria ainda mais dramática na América do Norte: em 2000, a zona cobria aproximadamente 6,7 milhões de quilômetros quadrados – em 2090 pode encolher para um terço.

A tundra ártica estaria ainda pior: estima-se que desaparecerá completamente se as mudanças climáticas não forem contidas. Ao mesmo tempo, estima-se que a floresta tropical seca e as zonas desérticas tropicais aumentem.

‘Se deixarmos as emissões crescerem, o aumento nas áreas desérticas é especialmente preocupante porque nessas condições quase nada pode crescer sem irrigação. No final deste século, podíamos ver mais de 4 milhões de quilômetros quadrados de novo deserto ao redor do globo ‘, diz Kummu.

Embora o estudo seja o primeiro a dar uma olhada holística nas condições climáticas onde os alimentos são cultivados hoje e como as mudanças climáticas afetarão essas áreas nas próximas décadas, sua mensagem para levar para casa não é de forma alguma única: o mundo precisa de ações urgentes.

“Precisamos mitigar as mudanças climáticas e, ao mesmo tempo, aumentar a resiliência de nossos sistemas alimentares e sociedades – não podemos deixar os vulneráveis para trás. A produção de alimentos deve ser sustentável ‘, diz Heino.

Fonte: Outras Palavras

Governo do Maranhão autua Bolsonaro por, sem máscara, promover aglomeração

O governo do estado do Maranhão emitiu um auto de infração sanitária no nome do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), por conta de aglomerações que o mesmo teria promovido e não ter utilizado máscara de proteção na última visita ao estado.

Leia a matéria completa aqui.

Luiza Trajano: “Torcendo muito por alguém que possa diminuir polaridade”

Sonho edulcorado dos partidos para ser candidata a presidente ou ocupar o posto de vice em uma chapa presidencial, Luiza Trajano disse estar “torcendo muito para que a gente tenha alguém que possa diminuir essa polaridade”.

Leia a matéria completa aqui.

Áudio: Assessor culpa deputado e Bolsonaro antes de morrer por covid

O deputado José Medeiros (Podemos-MT) atribui à “vingança de um ex-assessor que demiti” a gravação que circula na internet em que outro ex-assessor, o advogado José Roberto Feltrin, o responsabiliza e ao presidente Jair Bolsonaro por não ter sido vacinado contra a covid-19.

Ouça o áudio e leia a matéria completa aqui.

Opinião: “‘Não se conversa com golpista!’ E agora?”

“O que teve de lulopetista chato para um ‘cacete’ que me encheu a paciência no Facebook, WhatsApp, pessoalmente, quando o Ciro Gomes assinou a carta pela democracia com Mandetta, Huck, Doria e etc, não está escrito. ‘Não se conversa com golpista!’, bradavam. Tem gente que não respondi até hoje.”

Leia o texto na íntegra aqui.

Senadores se revoltam com ameaça de Bolsonaro: “Imagine Manaus sem a Zona Franca”

A citação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) à Zona Franca de Manaus, em live na noite de quinta-feira (20), foi vista como uma ameaça de Bolsonaro aos integrantes da CPI da Covid e irritou parlamentares amazonenses.

Leia a matéria completa aqui.

Veja mais notícias no BRI.

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.378 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *