Ciro Gomes amplia equipe de economistas para as eleições de 2022

Ciro Gomes, economistas e 2022 – Em suas articulações em torno de sua candidatura à presidência da República, Ciro Gomes (PDT) ampliou seu leque de economistas para serem colaboradores na pré-campanha para as eleições de 2022.

A principal adesão é a de Paulo Rabello de Castro, ex-presidente do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) no governo Michel Temer, que fez mestrado e doutorado na Universidade de Chicago, mais famoso centro difusor do liberalismo econômico mundial.

Os dois tiveram uma conversa telefônica há 20 dias, por iniciativa de Rabello, que se dispôs a colaborar com Ciro na parte econômica. Ficaram de conversar pessoalmente assim que a pandemia der uma trégua.

“Ele [Rabello] me ligou e me deu uma grande alegria, dizendo que estava vendo a minha luta e que tinha a vontade de ajudar”, disse o presidenciável.

Além dele, Ciro também já conversou com outros economistas liberais, entre eles dois dos pais do Plano Real, Persio Arida e André Lara Resende —nesses casos, apenas para trocar ideias.

Ciro também tem mantido contato com os ex-ministros Delfim Netto e Luiz Carlos Bresser Pereira, além do professor da Unicamp Luiz Gonzaga Belluzzo, todos defensores do papel do Estado na economia.

No caso de Rabello, a ideia é que o contato inicial evolua para uma parceria. “Nós estamos buscando uma alternativa, um caminho verdadeiro para o Brasil”, disse o economista, que também presidiu o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) no governo Temer.

EUA

Em Chicago, Rabello teve aula com diversos vencedores do Nobel de Economia, inclusive o mítico Milton Friedman, maior referência dessa escola de pensamento do século 20.

A universidade é também a alma mater do ministro da Economia, Paulo Guedes, mas Rabello diz que as semelhanças com o xará terminam aí. “O Brasil precisa de um liberalismo popular, não do liberalismo financista do ministro Paulo Guedes”, afirma Rabello.

Este “liberalismo popular”, diz ele, envolve mudar o foco da política econômica para o aumento na taxa de investimento na economia, reforma tributária e preocupação com a empregabilidade dos mais jovens. “Você mal ouve falar em investimento, nesse liberalismo financista”, afirma.

No caso das privatizações, o economista defende que sejam mantidas, mas com mudança de foco. O caso da Eletrobras, diz ele, é emblemático. “Os financistas do governo querem pegar a Eletrobras e passar a ferro. A empresa está muito subavaliada”, afirma.

Segundo ele, qualquer processo de venda de estatais deve envolver a pulverização do capital. “Distribuir o capital estatal ao povo é essencial”, afirma.

O economista afirma que poderá ajudar na relação de Ciro com agentes de mercado, que ainda se assustam com a imagem estatista do candidato e seu discurso nacional-desenvolvimentista.

É uma avaliação equivocada, diz ele, já que Ciro tem como propostas reforma tributária e incentivos às exportações, além de descartar intervenções abruptas do Estado na economia. “Onde eu estiver, esse tal mercado vai saber que o Ciro vai errar muito pouco”, declara.

Rabello refuta paralelo com a nomeação de Guedes como “posto Ipiranga” do presidente Jair Bolsonaro, ainda na campanha presidencial de 2018.

“Falar em posto Ipiranga é repetir uma babaquice que não se aplica ao candidato Ciro Gomes, que já tem a economia na cabeça, foi até ministro da área [em 1994]”, diz Rabello. “O governo do Ciro terá como presidente um individuo de personalidade fortíssima”.

Jogo de palavras

Num jogo de palavras, ele diz que o governo Ciro será “não o do posto Ipiranga, mas o do grito do Ipiranga”, metáfora sobre a necessidade de uma nova independência para o país, dessa vez do capital especulativo.

Desde a reabilitação dos direitos políticos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), Ciro vem buscando ajustar o discurso a uma plataforma mais centrista, uma vez que o espaço à esquerda se tornou restrito.

Isso envolve acenos a partidos mais à direita, como o DEM, além de centristas, como PSD e Cidadania.

O próprio Rabello é filiado ao PSD no Rio de Janeiro, mas diz que sua iniciativa de dar apoio ao pedetista não tem caráter partidário. Em 2018, enquanto estava no PSC, foi candidato a vice-presidente na chapa de Alvaro Dias (Podemos).

Ciro também vem tentando suavizar sua imagem de político pavio curto e dado a grosserias eventuais, e para isso contratou o publicitário João Santana, que trabalhou em campanhas de Lula e Dilma Rousseff (PT).

O aceno ao mercado é uma nova parte dessa estratégia. A sugestão de reforçar o time econômico e criar uma espécie de porta-voz para a área foi dada por potenciais aliados.

O ex-ministro é famoso por despejar dados e cifras econômicas em velocidade acelerada em discursos e entrevistas, o que não agrada a diversos investidores.

Na campanha de 2018, Ciro tinha como assessores dois economistas de perfil mais keynesiano, uma escola de pensamento que se opõe ao liberalismo do Chicago e defende que o Estado seja o indutor da atividade produtiva.

São eles Nelson Marconi, da Fundação Getulio Vargas, e Mauro Benevides Filho, que também é deputado federal licenciado (PDT-CE).

De acordo com Rabello, sua colaboração com o programa de governo do ex-ministro não tem o intuito de tirar o espaço de ambos. “O Marconi é uma pessoal de irretocável capacidade, ponderado, pensa antes de falar. O Mauro Benevides só não é um professor mais atuante porque é mais do que isso, é deputado”, afirma.

Segundo ele, seria burrice mexer no time que está ganhando. “Eu sou um torcedor, um soldado para implementar um rumo novo para o Brasil”, diz.

Fonte: Folha de S. Paulo

Antonio Neto comenta

“Ciro Gomes está em diálogo com diferentes campos do pensamento econômico. O que pretende é formar uma aliança programática que tenha o Brasil à frente e não os egos ou embates estéticos promovidos pelos supostos ideológicos”, escreveu Neto em suas redes.

O presidente do PDT da capital paulistana lembrou que Ciro vem dialogando com diferentes campos “e é isso que o torna o mais capaz de fazer uma união em torno do que o Brasil precisa”. “Não adianta nada bradar socialismo ou conservadorismo e na hora de executar ceder. Um programa político se faz na construção com a diferença”, acrescentou.

“Isso é uma síntese do trabalhismo, é o como nós construímos a política desde 1930. Debatemos nosso programa político e a composição necessária para executà-lo à luz do dia, pela base que o constrói, sem esconder com quem e como falamos. Sem credibilidade não se constrói nada” – Antonio Neto

Facebook Comments Box
Compartilhe

Written by:

1.378 Posts

View All Posts
Follow Me :

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *